A Coreia do Norte comunicou as agências de aviação e de navegação internacionais sobre o seu planejado lançamento de satélite, disse a agência de notícias Yonhap, da Coreia do Sul. O lançamento deve ocorrer entre 4 e 8 de abril, segundo a agência. A Coreia do Sul e os Estados Unidos consideram o lançamento como um disfarce para um teste de míssil e pediram que o país comunista abandone tais planos.
 

Pyongyang deu à Organização de Aviação Civil Internacional, à Organização Marítima Internacional e a outras entidades mundiais "a informação necessária para proteger o tráfego de aviões e barcos", como parte dos preparativos para o lançamento de "um satélite de comunicações experimental", informou a Agência de Notícias Central da Coreia.

 

Segundo a agência de notícias sul-coreana, o governo de Seul está preparando medidas para responder à ação norte-coreana, embora ainda não tenha especificado quais seriam. "Recebemos informações da OMI sobre quando acontecerá o lançamento de um satélite experimental de telecomunicação e que áreas serão afetadas", disse um porta-voz do Ministério de Terra, Transporte e Assuntos Marítimos, citado pela Yonhap.

 

Segundo a agência norte-coreana de notícias, o aviso foi feito à Organização da Aviação Civil Internacional (Icao) e à Organização Marítima Internacional (OMI), para, dessa forma, garantir a segurança de navios e aviões. A KCNA, citada pela "Yonhap", diz que o aviso é parte dos preparativos para lançar o foguete Unha-2 com seu satélite de comunicação experimental Kwangmyongsong-2, que terá "fins pacíficos" e será parte de seu programa espacial.

 

Pyongyang transmitiu às duas organizações internacionais "a informação necessária para o tráfego seguro de aviões e de navios, como parte dos preparativos para o lançamento de um satélite de comunicação experimental", diz a agência de notícias.

 

Especialistas sul-coreanos e americanos acreditam que a Coreia do Norte pode estar preparando, na verdade, um teste com um míssil de longo alcance Taepodong-2, similar ao disparado em 2006 e que gerou forte repulsa internacional. Governos como os de Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão alertaram Pyongyang de que o lançamento de um míssil ou de um satélite provocaria a imposição de sanções por parte do Conselho de Segurança da ONU.

 

estadao.com.br

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário