O presidente venezuelano, Hugo Chávez, deve divulgar hoje um pacote de medidas econômicas para enfrentar a queda dos preços do petróleo e os efeitos da crise global na Venezuela. O anúncio foi feito pelo próprio Chávez em entrevista ontem à emissora estatal venezuelana VTV. O presidente antecipou algumas medidas, entre elas a retomada da nacionalização do Banco da Venezuela, cujos recursos seriam usados para "impulsionar o desenvolvimento econômico" , e o aumento das restrições para as importações de bens de luxo.

"Não serão congelados os salários, nem haverá cortes nos gastos de infraestrutura e projetos sociais", afirmou Chávez. "Esse é um governo socialista e nosso compromisso é com o povo. Por mais dura que seja a crise, aqui estaremos para defender os interesses do povo, e não os da burguesia."

Entre as medidas que podem ser anunciadas, segundo analistas, estão o aumento de alguns impostos, a desvalorização da moeda nacional, o Bolívar Fuerte, e a redução das cotas de dólares que os venezuelanos podem adquirir para viajar ou fazer compras pela internet.

Na semana passada, o presidente reclamou que os subsídios do Estado a serviços como água e eletricidade só favoreceriam aos ricos, o que pode ser um indício de uma mudança no valor das taxas cobradas.

Chávez também chegou a dizer que poderia aumentar o preço da gasolina, um tema sensível na Venezuela desde o final dos anos 80, quando um pacote anticrise do governo Carlos Andrés Pérez, que incluía uma elevação de 30% no preço do produto, desatou uma onda de protestos e saques que deixou mais de 300 mortos e ficou conhecida como o "caracaço".

O irônico é que, na época, uma das medidas adotadas para desarmar a bomba social, política e econômica na qual a Venezuela havia se transformado foi justamente a descentralização do poder, processo que Chávez agora quer reverter tomando atribuições dos Estados e municípios.

MAIS DO MESMO

"O pacote provavelmente será mais do mesmo: mais controles estatais e mais nacionalizações", disse ao Estado o analista político Omar Noria, da Universidade Simón Bolívar.

"Chávez deu indícios de que pode dificultar ainda mais a vida da classe média, beneficiando apenas os mais pobres, que não têm carro ou recursos para comprar os tais bens de luxo", acrescentou.

O petróleo responde por 90% dos recursos do Estado venezuelano. O presidente precisou rever seus planos porque o orçamento deste ano foi feito com a estimativa do produto a US$ 60, mas a média do barril venezuelano está em US$ 37.

A redução das receitas já levou a estatal petrolífera PDVSA a cancelar os pagamento de alguns funcionários terceirizados e agora a empresa tenta conseguir com bancos da China e do Japão empréstimos no valor de US$ 4 bilhões.

Nas últimas semanas, trabalhadores da estatal decidiram fazer protestos para pedir a revisão dos contratos e aumentos salariais, o que poderá reduzir a produção da PDVSA, segundo a agência de notícias Reuters.

 

estadao.com.br

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário