Cerca de 175 manifestantes são presos durante a noite em Chicago

A polícia de Chicago informou no domingo que cerca de 175 manifestantes foram presos em uma praça central onde alguns montaram barracas e sacos de dormir, em um protesto inspirado pelo movimento ‘Occupy Wall Street,’ de Nova York.

Os protestos atraíram mais de 2 mil pessoas, que marcharam do Federal Reserve Bank of Chicago até o Grant Park, que também foi palco de protestos contra a guerra durante a Convenção Democrática de 1968.

Detalhes sobre as acusações contra os manifestantes de Chicago não foram divulgados.

O protesto foi um dos muitos em um dia mundial de manifestações no sábado, que começou na Ásia e na Europa, passando pelos Estados Unidos e Canadá. Houve manifestações em dezenas de cidades como Washington, Boston, Chicago, Los Angeles, Miami e Toronto.

O movimento ‘Ocuppy Wall Street’ vem ganhando força no último mês, culminando no ‘Dia da Raiva’ global no sábado. Os protestos foram pacíficos na maioria dos países, exceto Roma, onde a manifestação provocou tumultos.

Ainda não está claro se o movimento, organizado principalmente por meio das mídias sociais, ainda vai ter fôlego depois do sábado. Críticos acusam o grupo de não ter uma mensagem clara.

Os manifestantes dizem que eles estão preocupados com bilhões de dólares destinados a resgates bancários, que permitiram bancos retomarem seus lucros, enquanto cidadãos americanos não tiveram alívio do alto desemprego.

O grupo de Chicago protestava diante do Fed há 23 dias, antes de mudar de local no sábado.

 

 

Folha

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

EUA: CMJP recebe Certificado Internacional de Instituição Apoiadora da Cultura Brasileira

Entrega da honraria foi feita pelo Embaixador do Turismo Brasileiro, Frederico Lapenda, dentro do Los Angeles Brazilian Film Festival A Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) recebeu o Certificado Internacional…

Google teria acesso a arquivos de usuários na nuvem, diz ex-funcionário

“O Google tem tudo o que precisa para ler seus dados”, escreve Martin Shelton, funcionário da empresa entre 2017 até setembro deste ano. Shelton agora é pesquisador principal da fundação…