O projeto de construção de uma estrada na Bolívia, concedido à empreiteira OAS com financiamento do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) avalizado pelo presidente Lula, está sob investigação da Controladoria-Geral do país depois que quatro avaliações apontaram indícios de superfaturamento e de favorecimento, informa Fabiano Maisonnave em reportagem na Folha. A construtora brasileira foi a única que participou da licitação, concluída no ano passado.
 

A obra, cujo empréstimo está sendo negociado diretamente entre Lula e Evo Morales, foi orçada em US$ 415 milhões, dos quais 80% a serem financiados pelo BNDES, e ligará o centro ao norte do país. Em conversa telefônica na semana passada a pedido do boliviano, o mandatário brasileiro assegurou a liberação da verba.

Para o Planalto, o eventual financiamento do BNDES à OAS será a solução para evitar um incidente diplomático semelhante à expulsão da Odebrecht no Equador, já que a mesma empreiteira também assinou no fim de fevereiro pré-contrato para assumir a construção de estrada que estava a cargo de outra construtora brasileira, a Queiroz Galvão (QG), desgastada com o governo Morales.

 

Folha Online

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário