A presidente da Fundação Ayrton Senna, Viviane Senna, de 50 anos, visitou Teresina, no Piauí, e afirmou que será uma "angústia" e "aflição" ver o filho Bruno Senna, 25 anos, competir na Fórmula 1. O piloto, sobrinho do tricampeão mundial Ayrton Senna, está perto de fechar contrato com a equipe Honda.

Para ela, o automobilismo está cada vez mais moderno no aspecto da proteção ao piloto, mas segue com riscos.

– Para a mãe é difícil e, ao mesmo tempo, é uma alegria poder ajudar a desenvolver no meu filho seu potencial. Tem uma história anterior que foi trágica (se referindo ao irmão Ayrton Senna) e ele estará correr os mesmos riscos – disse.

– Sei que hoje há mais recursos, mais tecnologia, mas sempre é um esporte de risco. Por esse risco é que a gente fica angustiada e é uma aflição cada corrida – disse Viviane, que veio ao Piauí lançar três programas de combate ao analfabetismo – Se liga, Acelera e Gestão Nota 10 -, em parceria com o governo do Estado.

Ao falar com jornalistas no Palácio de Karnak, ao lado do governador Wellington Dias (PT), Viviane Senna não confirmou e nem negou a ida de Bruno Senna para a equipe Honda. Porém, adiantou que o anúncio será feito em, no máximo, duas semanas.

– Tem uma grande chance dele (Bruno Senna) ir para a Formula 1 e no máximo em uma ou duas semanas deve estar saindo a resposta – afirmou.

 

 

JB Online

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário