Por pbagora.com.br

O vice-presidente de futebol do Botafogo-PB, Breno Morais, está mais uma vez envolvido em um episódio que está na mira da Polícia Civil e do Ministério Público na operação policial que investiga atos de corrupção no futebol paraibano. Agora, a questão não tem mais a ver com a arbitragem ou apenas com suspeitas de ilicitudes no campeonato estadual. 

 

O diálogo em que Breno afirma seu intuito de maquiar o borderô é com o empresário de jogadores Alex Fabiano, que é alagoano e tem trânsito em diversos clubes do Nordeste. Na conversa, Breno Morais fala com o colega como deve adulterar o boletim financeiro do jogo, que aconteceu no dia 21 de fevereiro no Estádio Almeidão. Alex então diz que na partida entre CSA e São Paulo, pela mesma fase da competição, que foi realizado no dia 15 de fevereiro, a diretoria do Azulão havia supostamente adulterado o borderô do duelo.

Na Copa do Brasil, nas duas primeiras fases, que têm jogo único, a renda é obrigatoriamente dividida entre os dois clubes que disputam uma vaga na fase seguinte do torneio nacional. Segundo o regulamento do campeonato, a equipe eliminada fica com 40% da renda líquida do jogo, enquanto que o time que segue na competição arrecada 60%.

A adulteração no boletim financeiro, divulgando um número inferior ao real de venda de ingressos, portanto, faz com que os valores repassados à federação do filiado que manda o jogo e ao clube visitante acabe sendo menor do que o que deveria ser. No diálogo, o dirigente do Botafogo-PB explica que vai omitir no borderô a quantidade das entradas vendidas antecipadamente para a partida.

Redação com globoesportes,com