Por pbagora.com.br

“Acabou, agora não dá mais”. A frase foi dita por Ronaldo, chorando, no caminho do gramado para o vestiário do estádio San Siro, em Milão, no dia 13 de fevereiro de 2008. Um ano depois de grave lesão no joelho esquerdo, o atacante está perto de estrear pelo Corinthians e provar para todos que ainda dá e que nada acabou.

 

 

– Essa recuperação não foi mais fácil nem mais difícil que a outra, mas como já havia o exemplo da primeira foi bom. Da primeira vez a gente não sabia nada, tivemos de conhecer a evolução do treinamento no dia-a-dia – comentou o camisa 9, que em 2000, pelo Internazionale de Milão, sofreu grave lesão no joelho direito.

 

Bruno Mazziotti, fisioterapeuta de Ronaldo, acompanhou de perto o segundo drama do Fenômeno. E certamente foi um dos responsáveis por conseguir reanimar um jogador que no auge da dor viu sua carreira terminar. Ronaldo confessou recentemente que sentiu preguiça ao pensar na recuperação, mas se esforçou por amor ao futebol.

 

 

– No primeiro mês, pode ter passado pela cabeça dele se aposentar. O Ronaldo comentava que se sentisse dor ou tivesse qualquer problema na recuperação não voltaria a jogar e encerraria a carreira. Como ele mesmo diz, não adianta voltar “meia-bomba” – falou Mazziotti, atualmente fisioterapeuta do Corinthians.

 

globoesporte.com

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Campinense e Treze iniciam nesta 4ª a decisão da 110ª edição do Paraibano

Paixão. Essa palavra pode definir o sentimento que vai mover o torcedor. Um estádio silencioso. Sem a presença da torcida como 12 jogador para incentivar a sua equipe. Em casa,…

Longe dos campos por conta de lesão, Léo Moura rebate críticas: “Tou calejado quanto a isso”

Em um vídeo, publicado nas redes sociais nesta terça-feira (11), o jogador Léo Moura, lateral-direito do Botafogo-PB, explicou os motivos que o mantém afastado dos gramados do futebol paraibano, apesar…