Por pbagora.com.br

O Santos bem que tentou. Chegou até a abrir o placar. Mas não foi páreo para o poderio do líder do Campeonato Brasileiro. O Palmeiras mostrou que é mesmo o melhor time da competição, venceu o clássico deste domingo por 3 a 1, de virada, e deixa a Vila Belmiro ainda mais soberano na ponta da tabela. Com 53 pontos, o Verdão abre cinco pontos de vantagem sobre o São Paulo, vice-líder com 48. Já o Peixe segue com 36, em 12º lugar.

 

Foi a primeira que a equipe do Palestra Itália vence por dois gols de diferença desde que Muricy Ramalho assumiu o comando há 12 rodadas.

 

Já o Peixe, que considerava uma vitória no clássico fundamental para continuar sonhando com G-4, praticamente não tem mais pretensões na competição.

Muita correria; pouco futebol

 

O primeiro tempo do clássico deixou clara a diferença técnica entre as duas equipes. O Santos até tentou tomar a iniciativa, mas contando apenas com lampejos ora de Madson, em jogadas individuais, ora de Neymar, com algum passe tirado da cartola. A falta de Paulo Henrique Ganso, que está defendendo a seleção sub-20, ficou evidente no time santista. O Peixe sentia a falta de um articulador de jogadas.

A única jogada correta organizada pelo ataque do Santos saiu aos oito minutos, quando Germano apareceu de surpresa dentro da área do Palmeiras e chegou chutando, aproveitando passe de Neymar. No entanto, pegou mal na bola e mandou por cima.

Já o Verdão, a partir dos dez minutos, começou a controlar a posse de bola, a virar o jogo e a ameaçar o gol defendido por Felipe. Primeiro em chutes de fora da área, sempre executados por Diego Souza. Aos 11, ele mandou uma bomba e obrigou Felipe a se esticar para defender.

Aos poucos, o Palmeiras foi achando espaços pelas laterais do campo. Armero e Figueroa chegavam à linha de fundo sem serem incomodados e passaram a cruzar bolas na área. A zaga do Peixe tinha muito trabalho, mas conseguia cortar. Acuado, o time santista tentava, ao menos, encaixar algum contra-ataque, mas o meio de campo palmeirense passou a controlar bem Madson e Neymar. Kléber Pereira, por sua vez, só teve seu nome citado na divulgação das escalações.

A situação da equipe da casa se complicou quando Fabão e George Lucas deixaram o gramado, machucados. Eles foram substituídos, respectivamente, por Astorga e Luizinho. Astorga não comprometeu. Já com Luizinho, o time perdeu a qualidade no passe. O reserva chegou perto da linha de fundo três vezes, mas errou todos os cruzamentos.

Por sorte dos alvinegros, os meias do Verdão, Diego Souza e Cleiton Xavier, não apareceram muito. Diego só apareceu nos chutes. Cleiton se limitou a passes burocráticos.

 

Emoção entra em campo

 

Os times voltaram do intervalo dispostos a passar uma borracha no primeiro tempo. O Peixe, que terminou a etapa inicial acuado, voltou do intervalo em cima do Verdao, atacando por todos o lados. Luizinho, que entrou mal no primeiro tempo, aparecia com velocidade pela direita, deixando Armero para trás.

 

E foi assim que o ala abriu o placar, aos 9. Neymar fez bela jogada pela esquerda e cruzou para trás. Luizinho, que vinha em desabalada carreira, encheu o pé direito e estufou as redes de Marcos.

 

O gol santista acordou o Verdão. Com Robert no lugar de Obina, a equipe de Muricy Ramalho ganhou mobilidade e passou a aproveitar melhor espaços deixados pelo Peixe. Aos 18, Figueroa cobrou falta da direita e achou Diego Souza livre na área. O meia cabeceou firme e empatou a partida.

 

O jogo tornou-se franco e emocionante. O Peixe não se intimidou com o empate do líder e seguia em cima. Luxa sacou Pará e mandou o time alvinegro ao ataque escalando o meia atacante Felipe Azevedo. Aos 24, Felipe cruzou da direita, Kléber Pereira deixou passar e Neymar, livre, tentou colocar no ângulo esquerdo, mas errou o alvo.

 

Na resposta, o líder virou. A zaga santista deixou Diego Souza dominar dentro da área. Erro fatal. O meia balançou, tirando dois marcadores da sua frente, e cruzou rasteiro. A bola atavessou a área e achou Robert sozinho. Ele se esticou e só escorou.

 

Com o meio de campo do Peixe escancarado, já que Pará era quem melhor marcava no setor, os meias do Verdão tiveram os espaços que faltaram na primeira etapa. Aos 31, Diego Souza e Cleiton Xavier vieram tabelado desde a intermediária. Cleiton rolou para Robert, que ganhou de Triguinho e jogou por baixo das pernas de Felipe. Antes de a bola cruzar a linha, Vagner Love ainda apareceu para assumir a autoria do gol.

 

Aos 41, minutos, um lance polêmico. Maurício derrubou Neymar na entrada da área. O árbitro assinalou pênalti, mas foi avisado pelo auxiliar que a falta foi fora da área. Após reclamações santistas, Madson cobrou a infração na cabeça de Felipe Azevedo, que desviou. Marcos fez grande defesa.

 

Ao final da partida, santistas protestaram com gritos de guerra contra a diretoria. Luxemburgo foi poupado das críticas.

 

globoesporte.com