Não poderia ter sido pior para o São Paulo. Depois de cinco meses e meio sem saber o que é uma derrota, o time da capital perdeu a invencibilidade em jogo no estádio do Morumbi para uma equipe que teve como destaque o ex-corintiano Marcelinho Carioca. A vitória por 2 a 0 do Santo André foi incontestável, com total domínio do clube do ABC diante de um Tricolor desorganizado, nervoso e sem pontaria.

Tricampeã brasileira, a equipe do técnico Muricy Ramalho não perdia havia 22 jogos (14 vitórias e oito empates). Antes do tropeço deste domingo diante do Ramalhão, o Tricolor só tinha perdido para o Grêmio, por 1 a 0, em Porto Alegre, no dia 17 de agosto de 2008. Depois daquela partida, o clube arrancou para a conquista nacional.

A derrota tricolor veio em péssima hora no Campeonato Paulista. Depois de terminar a terceira rodada na segunda colocação, o São Paulo vai dormir fora da zona de classificação para as finais. E mais: vê o lider Palmeiras abrir cinco pontos na tabela – o também rival Corinthians aparece na vice-lideranças com dois a mais.

O Santo André, que mostrou um excelente futebol neste domingo, chegou a sua segunda vitória neste Estadual, continuou em posição intermediária na classificação e manteve o time do Morumbi sem vencer como mandante – na estreia da competição, o Tricolor havia empatado por 1 a 1 com o Ituano.

São Paulo e Santo André voltam a campo pelo Campeonato Paulista na próxima quarta-feira, dia 4 de fevereiro. O clube do Morumbi joga novamente dentro de casa, agora contra o Bragantino, às 22h. A equipe do ABC, por sua vez, mais uma vez atuará como visitante. O jogo será diante do Mirassol, no interior, às 19h30m.
 

Desconcentrado, mal taticamente e sem poder de conclusão. Assim foi o São Paulo no primeiro tempo da partida desta tarde. Melhor para o Santo André, que teve tudo o que faltou aos donos da casa e conseguiu sair na frente logo de cara. Comandado por Marcelinho Carioca, o time do ABC paulista infernizou a defesa são-paulina.

Logo no primeiro minuto, Jorge Wagner perdeu a bola no meio-campo e viu Chiquinho avançar pela esquerda. O meia tocou para Osny servir Marcelinho Carioca na grande área, mas o camisa 7 chutou para fora. Embora o chute de Dagoberto, aos 5, tenha assustado, o Santo André não se intimidou e surpreendeu o Tricolor.

Aos 6 minutos, após cobrança de escanteio de Marcelinho da direita, Elvis dominou do lado esquerdo do campo e cruzou para Osny. A defesa do São Paulo, mal posicionada, parou pedindo impedimento e deu condições para o atacante cabecear no canto direito do goleiro Rogério Ceni, que sequer se mexeu.

A principal dificuldade do Tricolor era a conclusão a gol. A chegada com perigo à área do Santo André até ocorreu com certa facilidade em alguns momentos, mas o chute não acontecia. Ou então passava longe demais. Aos 10 minutos, por exemplo, a bola ficou na grande área em frente a três atletas do São Paulo e ninguém finalizou.

Foi assim também aos 18, quando o canhoto Jorge Wagner não conseguiu bater de direita e tocou para Washington, que também não acertou a conclusão. Nervoso por conta dos erros, o São Paulo se perdeu em campo. Tanto que Washington levou cartão amarelo por reclamação e Dagoberto por falta violenta em Ricardo Conceição.

Enquanto o São Paulo tentava se acertar, o Santo André levava perigo sempre que chegava à frente. Aos 23, Marcelinho apareceu livre na cara de Ceni, mas mandou para fora. As duas melhores chances do São Paulo ficaram para o fim da etapa inicial. Aos 38, Washington chutou em cima de Neneca. E aos 47, Dagoberto arriscou de longe, Neneca defendeu e, no rebote, Washington, impedido, concluiu para fora.

Insatisfeito com o rendimento tricolor, o técnico Muricy Ramalho voltou para a etapa final com Arouca na vaga de Wagner Diniz. Só que logo aos 4 minutos precisou fazer outra alteração. Hugo teve um mal estar e deu lugar ao atacante Borges. O cenário, porém, continuou o mesmo do primeiro tempo, com o São Paulo perdido.

Sem nenhuma mudança para o segundo tempo, o Santo André manteve o bom futebol da etapa inicial e aumentou sua vantagem. Aos 9 minutos, o atacante Júnior Dutra avançou com liberdade entre os marcadores e chutou forte de fora da área. Mal colocado, Rogério Ceni não alcançou a bola e viu sua rede balançar novamente.

O São Paulo sentiu o gol, ficou nervoso e pedeu Miranda, expulso por falta em Osny. Mas o time da capital não demorou a procurar reação. Aos 16 minutos, Borges apareceu na grande área para desviar de cabeça um cruzamento de Arouca e acertar o travessão do goleiro Neneca. A equipe tricolor, porém, não conseguiu manter a pressão e deu mais espaços para o Santo André trabalhar suas jogadas.

Aos 21 minutos, por exemplo, o clube do ABC teve ótima chance em cobrança de falta do especialista Marcelinho Carioca. O camisa 7 bateu forte de perna direita e obrigou boa defesa de Rogério Ceni no canto direito, rasteiro. Do lado do São Paulo, nada dava certo. Até mesmo o “matador” Washington estava em baixa.

Na cara do gol, aos 27 minutos, o camisa 9 tentou bater colocado no canto esquerdo de Neneca, mas pegou forte demais na bola e mandou longe do gol. Foi preciso Rogério Ceni sair do gol aos 35 para o São Paulo levar perigo ao Ramalhão. Após sofrer com catimba de Marcelinho, o camisa 1 bateu falte e Neneca fez linda defesa.

A reação tricolor, porém, não foi adiante, e o Ramalhão continuou com o domínio da partida. Só não fez mais porque faltou melhor pontaria em alguns momentos.

Globoesporte.com

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Clubes de futebol do Sertão adotam medidas drásticas para não fechar portas

A pandemia de coronavírus e a recomendação do Ministério da Saúde de evitar aglomerações promoveram mudanças no futebol paraibano. Muitos clubes para não fechar as portas adotaram medidas extremas, como…