A Paraíba o tempo todo  |

Piquet diz que acidente que deixou Mansell na UTI foi o melhor fato do ano do tri

 O ex-piloto Nelson Piquet abusou da sinceridade no encontro que teve com Nigel Mansell para o programa Linha de Chegada, no canal Sportv. Ao lado do também campeão de Fórmula 1, ele foi perguntado qual foi o melhor momento do campeonato de 1987. “Foi quando ele [Mansell] bateu”, disse Piquet.

O brasileiro conquistava naquele ano o tricampeonato categoria. Seu parceiro de equipe, porém, tinha mais vitórias na temporada e sofreu um acidente no GP do Japão.

Mansell, que já havia explicado na altura da entrevista como tinha sido o choque e o trauma, respondeu logo em seguida ao comentário sincero do brasileiro. “Essa é a parte mais legal da honestidade do Nelson”.

Em 1987, Nelson Piquet foi companheiro de equipe de Nigel Mansell na Williams. O britânico estava 12 pontos atrás do brasileiro, e bateu forte no treino em Suzuka (Japão), na penúltima etapa, e teve que ir para a UTI. Com isso, o caminho ficou aberto para o tricampeonato de Piquet, que nem precisou disputar o GP seguinte na Austrália para ganhar o título.

Mansell disse que teve medo de morrer no período em que esteve na UTI. “Estava ao lado de duas pessoas no hospital, e as duas morreram. Foi muito duro”. Também comentou que teve fraturas na costela e sentiu a coluna ser esmagada. No acidente, ele perdeu os movimentos da perna por seis semanas e não tinha a certeza se voltaria a andar.

Os dois pilotos concordaram, porém, que choques graves assim eram muito mais comuns nos anos 80 do que hoje em dia. "O maior problema dos anos de 1980 era confiabilidade do carro", afirmou Mansell para explicar acidentes e também quebras repentinas.

Piquet, em outro momento de sinceridade que arrancou uma risada do britânico, disse que seu acidente de 1986, em Ímola, foi determinante na carreira. "Só corria pelo dinheiro a partir daí", soltou o brasileiro. E ainda contou que qualquer piloto sente o acidente nas corridas seguintes. "Pele curta é o nome que dão para isso. A pele fica curta para acelerar", explicou.

Crítica indireta a Senna e Prost

Piquet e Mansell protagonizaram uma das maiores rivalidades da década de 1980. O brasileiro terminou a carreira sendo tricampeão mundial, contra apenas um título do britânico, que aproveitou a entrevista para fazer uma crítica indireta ao francês Alain Prost e ao brasileiro Ayrton Senna, seus contemporâneos na época, ao dizer que não aprova que um piloto conquiste um título após bater propositalmente em um concorrente durante a prova.

“Fui campeão apenas uma vez, mas fiquei três com o segundo lugar. Se tivesse dirigido de forma diferente, teria boas chances até de ser tetracampeão, mas não venceria com espírito esportivo”.

 

 

UOL

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe