O argentino Maxi López ainda não estreou com a camisa do Grêmio, mas já deixa claro quais são seus objetivos. Em entrevista ao Diário Olé, da Argentina, o atacante declarou que pretende jogar uma boa Taça Libertadores para, depois, voltar à Europa e conquistar seu espaço na seleção argentina.

– Se vim ao Brasil, onde tenho mais exposição, foi por algo. Eu quero que Maradona me veja. O que mais me sobra são metas e objetivos. Sonho em jogar o Mundial. Em julho completará oito anos que estreei entre os profissionais e tenho apenas 24. Estreei jovem, fui (para a Europa) jovem e hoje me encontro em uma idade que busco o equilíbrio. Quero fazer uma boa Libertadores e voltar para a Europa. Fazer lá o que fiz no River. E chegar à seleção – completa.

O ex-jogador do River Plate e do Barcelona destacou ainda a dificuldade para obter a liberação do FC Moscou para outros clubes, principalmente da Europa. Por um lado, os problemas levantados pelo time russo foram decisivos para que Maxi fechasse com o Grêmio.

 

Era o único mercado aberto. As negociações com os russos do FC Moscou foram duríssimas. Os dirigentes esperaram até o último momento para encontrar outras possibilidades. Me chamaram na Inglaterra, na França, na Itália, mas os russos arruinaram as negociações – explicou o centroavante.

Ansioso para a estreia com a camisa do Grêmio, Maxi López não esquece a rivalidade com o antigo rival argentino dos tempos de River: o Boca Juniors. Um possível confronto entre o atual clube e Riquelme e companhia seria bem-vindo.

– Podemos enfrentá-los, sim, mas gostaria de jogar contra outra equipe argentina. Creio que você entende qual, não? – encerra.
 

 

globoesporte.com

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Leandro Vuaden apita o Clássico Tradição no próximo sábado

O Clássico Tradição do próximo domingo vai ter trio de arbitragem do Rio Grande do Sul dentro das quatro linhas. Leandro Pedro Vuaden vai apitar a partida válida pela última…

Chapa que disputará eleição no Campinense é homologada com uma mudança

Depois do indeferimento da candidatura de Valdir Cabral para a Diretoria de Futebol do Campinense, por questões burocráticas a chapa encabeçada por Paulo Gervany foi homologada e confirmada na disputa…