Por pbagora.com.br

 Massa isenta Ferrari e diz que deixou Alonso passar: “Tomei a melhor decisão para equipe”

"Não posso falar que estou feliz da vida; não deixei de ser profissional", afirma

Felipe Massa, segundo colocado no GP da Alemanha, realizado neste domingo, teve de enfrentar um turbilhão de perguntas sobre a polêmica ordem da Ferrari para que ele deixasse seu parceiro de time, Fernando Alonso, ultrapassá-lo.

Questionado a respeito do porquê de sua atitude e se não te medo de se tornar um segundo Rubens Barrichello, que protagonizou cena igual em 2002, com Michael Schumacher, Massa foi enfático ao dizer que não é o segundo piloto e tomou a decisão sozinho.

"Tomei a decisão para o melhor da equipe. É lógico que não é a primeira vez que isso acontece e com certeza para a equipe os pontos valerão bastante. Não posso falar que estou feliz da vida, porque, para mim, a felicidade é a vitória. Não corro aqui para chegar em segundo. Então é pensar para frente e na vitória."

"Como eu já disse, segundo piloto eu não sou. Sei que tenho condição de ser primeiro, de vencer, até por isso que estou aqui. É isso o que eu penso. Lógico que para você ser primeiro tem que brigar pelo campeonato, e não é isso que está acontecendo", disse o brasileiro.

Massa procurou a todo momento enfatizar a questão do profissionalismo e de trabalhar a favor da equipe, destacando situações em que ele precisou agir em favor de seu parceiro de time pensando no coletivo.

"Acho que já provei muito na minha vida o quão profissional eu sou e quão certo eu sou. A gente teve ocasiões até em momentos em que estou lutando pelo campeonato, o que aconteceu em 2008, no Brasil, que aconteceu em outros lugares. Eu não deixei de ser profissional, sempre fui."

"O que eu penso é que em 2007 eu ajudei meu companheiro [Kimi Raikkonen] a ser campeão do mundo e em 2008 ele me ajudou. Infelizmente não foi possível o título por outros motivos, então trabalhei para a equipe. Em 2008 eles trabalharam para mim. Os pontos são o que mais conta nesse momento. Minha decisão foi pensando nisso", explicou.

Sobre o fato de ganhar fama semelhante à de Rubens Barrichello, que foi segundo piloto da Ferrari, Massa diz que não teme um descrédito por parte do povo brasileiro, que torce por ele e o acompanha.

"Lógico que tenho um país que acredita muito em mim. Infelizmente não estou em uma situação do campeonato ótima, então eu não mudei nada, apenas fiz o trabalho profissional, que tenho certeza que a maioria iria fazer no meu lugar."

"A gente tem um pensamento interno como profissionais e espero que entendam o que estou dizendo. Foi minha a decisão de deixar o Alonso passar. Se não, ele não teria passado", concluiu o piloto, negando que a equipe tenha lhe dado ordens explícitas pelo rádio para que ele "tirasse o pé".

 

 

UOL

Notícias relacionadas

Atlético-PB age rápido e anuncia Pedro Caçapa como novo técnico

Horas depois de anunciar a demissão do técnico Alexandre Lima, a diretoria do Atlético de Cajazeiras agiu rápido e anunciou seu substituto. Trata-se de Pedro Caçapa, técnico de 53 anos,…