A Paraíba o tempo todo  |
PUBLICIDADE

Luto toma conta de escolas e deixa alunos e professores atordoados

 A porta de uma sala de aula, antes adornada só por flores de papel, agora tem folhas sulfite com mensagens e desenhos de alunos do segundo ano do ensino fundamental: "Força, Chape". Outra porta entreaberta revela seis alunos dormindo em colchões espalhados pelo chão.

Há dois dias, foram acordados às 6h por um amigo com uma notícia que não parecia ser verdade. "Ficamos em choque. Achei que ainda estivesse dormindo", diz Kauê Marmintini, 17. À tarde, o grupo foi para a arena Condá, em Chapecó (SC), prestar homenagem aos 71 mortos na queda do avião que levava, na terça (29), a equipe da Chapecoense à Colômbia. Penduraram uma faixa: "O movimento de ocupação está em luto".

Por causa da tragédia, aulas foram suspensas nas escolas. Nessa cidade de 220 mil habitantes, havia 32.820 matriculados no ensino médio e fundamental em 2015.

A escola estadual Irene Stonoga, onde os alunos dormem, foi a primeira ocupada em Santa Catarina, em 25 de outubro, no movimento de escolas contrárias à PEC 241, que fixa um teto de investimentos em educação e outros gastos públicos, e à MP que prevê uma reformulação no ensino médio. A escola fica em um bairro pobre e periférico da cidade, o São Pedro. Hoje, em Chapecó, há seis escolas estaduais ocupadas, além de duas universidades.

Para um professor de história que acompanha a ocupação desses alunos, Gean Roth, o time de futebol que foi arrasado pela tragédia mudou a imagem que o Brasil tinha de Chapecó. A cidade, polo da agroindústria do oeste catarinense, "virou a cidade da Chapecoense depois da campanha do clube", diz. "Hoje, ao falar de Chapecó, ninguém fala mais da BRF, fala da Chape", diz, ao lado de Marmintini, que trabalhou como menor aprendiz na empresa do ramo alimentício durante um ano e meio.

Rodrigo, 10, orbita o grupo de amigos na escola e comenta que neste sábado (3) irá à arena Condá. Mas sua primeira vez ali não será para ver o jogo. Ele vai para o velório coletivo da Chapecoense.

Redação com Folha de São Paulo

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe