A Paraíba o tempo todo  |

LENDA: Phelps conquista 23º ouro

Com o currículo que tem, Michael Phelps tinha o direito de ir à sua quinta e última Olimpíada com o freio de mão puxado. A história, afinal, já tinha sido feita. Só que ele não se contentou em apenas dar adeus. Com cinco ouros e uma prata, sairá do Rio, mais uma vez, acima de todos os outros.

Aos 31 anos, ele se provou seguidas vezes em seis dias de competição, a começar por aquele que seria seu "maior rival". O esperado duelo com Chad le Clos se transformou em um passeio, com o sul-africano ficando fora do pódio nos 200 m borboleta. Nos 200 m medley, o ritmo imposto pelo astro fez Ryan Lochte e Thiago Pereira, dois de seus maiores rivais, se matarem no começo da prova tentando acompanhá-lo. No fim, Phelps venceu com sobras e viu a dupla nem chegar no pódio.

Até em equipe ele fez diferença. Foi a passagem dele que deu aos EUA a liderança decisiva para a vitória nos 4×100 m livre e nos 4×100 m medley.

Não que se duvidasse de Phelps, claro. Só que em um esporte duro como a natação, como explicar que um veterano que passou dois anos aposentado consiga melhorar seu rendimento em relação à última Olimpíada? Em Londres, ele tinha alcançado "só" quatro ouros e duas pratas. Se cumprir o que prometeu, o Rio será o canto do cisne do americano, e ele tem tudo para fechar os Jogos como o maior medalhista da edição. Em suas últimas braçadas, ele relembra o mundo o quanto é melhor que todos os outros que já existiram.

Na última vez que caiu na água, Phelps teve a missão de recuperar a liderança dos 4×100 m medley para os Estados Unidos. No nado borboleta, o norte-americano travou um intenso duelo com James Guy, do Reino Unido, mas conseguiu entregar para Nathan Adrian na primeira colocação. O companheiro abriu vantagem e completou na primeira colocação.

Os Estados Unidos venceram com o tempo de 3min27s95. Medalha de prata, o Reino Unido fechou com a marca de 3min29s24. O bronze ficou com a Austrália (3min29s93).

Depois da prova, Phelps desabou em lágrimas, sendo ovacionado pela torcida presente no Estádio Aquático Olímpico. Nas arquibancadas, a mãe do norte-americano, Deborah Phelps, e sua mulher, Nicole, também não conseguiram conter o choro ao ver o nadador encerrar a última prova da carreira.

 

Uol

foto: Clive Rose/Getty Images

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe