A esperança dos torcedores rubro-negros era a de que a estreia ruim do Flamengo no Campeonato Carioca no último domingo tivesse sido por acaso. Mas, o que se viu nesta quinta à tarde no estádio da Cidadania, em Volta Redonda, foram os mesmos erros e a falta de organização do time. Apesar disso, o Fla conseguiu vencer o Bangu por 2 a 1, de virada, aos 45 minutos do segundo tempo. Outro lado negativo da partida foi o desempenho do trio de arbitragem, comandado por Djalma Beltrami, que errou em três lances capitais. E ainda houve pelo menos outras três jogadas polêmicas

 

Com o resultado, o Fla foi aos seis pontos na tabela do Grupo B e fica na liderança. O time de Moça Bonita continua com zero, na lanterna. Na próxima rodada, o Rubro-Negro volta a jogar na Cidade do Aço, domingo, contra o Volta Redonda, às 17 horas. O Bangu enfrenta o Macaé, fora de casa, no mesmo dia, só que às 16h.

 

Obina perde pênalti, e torcida do Bangu aplaude

 

O Flamengo começou o jogo sem a menor organização tática e muito desconcentrado. Tanto é que em menos de três minutos, já havia errado quatro passes, sendo dois de Kleberson. O Bangu se mostrava um tanto assustado, afoito quando tinha a posse de bola. Apenas os atacantes Somália e Bruno Luiz davam trabalho à zaga rubro-negra.

 

Aos poucos, o time de Moça Bonita foi se sentindo mais solto, principalmente pela péssima partida que fazia o meio-campo do Fla. Ibson, Kleberson e Everton não conseguiam criar nada, e Obina permanecia isolado no ataque. Juan, o único um pouco mais inspirado, era quem tentava a maioria das jogadas. Aos 21, a primeira jogada trabalhada do Fla. Leo Moura chegou à linha de fundo e cruzou. Obina completou de cabeça, mas a bola saiu à esquerda de Diogo.

 

 

Aos 29, Juan cobrou falta da intermediária, Fábio Luciano subiu bem, mas Diogo espalmou antes mesmo de o capitão do Fla tocar com a cabeça na bola. Aos 33, Obina recebeu lançamento de Leo Moura, matou no peito, deu um chapéu no zagueiro e chutou de voleio. Diogo fez outra boa defesa. Aos 37, Bruno Luiz fez uma falta violenta sobre Aírton, com uma tesoura por trás, mas o árbitro deu apenas cartão amarelo para o jogador do Bangu.

 

 

No minuto seguinte, pênalti sobre Juan. O lateral driblou Uilian e foi derrubado na área. Obina cobrou, com direito a paradinha, e perdeu. A bola bateu na trave esquerda e quase saiu pela lateral direita de Diogo. Um detalhe importante é o fato de o atacante não estar nem entre os três cobradores oficiais do time, que são Ibson, Leo Moura e Marcelinho Paraíba, sendo que o último começou a partida na reserva. Logo após o erro de Obina, a pequena torcida do Bangu presente ao estádio da Cidadania gritou, ironicamente, o seu nome. Fim de primeiro tempo: 0 a 0.
 

Segundo tempo para corações fortes

 

Insatisfeito com o rendimento do time, no intervalo, o técnico Cuca tirou Kleberson, que fez um péssimo primeiro tempo, e pôs o atacante Maxi em seu lugar. Em relação à criatividade no meio-campo, Ibson até que melhorou um pouco, mas o mesmo não ocorreu com Everton, que errava tudo que tentava. Aos 10, Willians cruzou da direita, Obina tocou bem de cabeça, mas Diogo impediu o primeiro do Fla.

 

 

Aos 12, o Bangu abriu o placar. Douglas Silva chutou forte da esquerda, a bola bateu na trave esquerda de Bruno, raspou em Somália, que estava impedido, e sobrou para Rafael Soeiro empurrar para o fundo das redes. Logo em seguida, a torcida rubro-negra começou a pedir a entrada de Jônatas. E Cuca prontamente atendeu, colocando-o na vaga de Aírton.

 

 

E assim foi o Flamengo em busca de, pelo menos, um empate. Aos 23, Leo Moura pegou rebote na entrada da área e mandou uma bomba, à esquerda de Diogo. Aos poucos, a impaciência foi tomando conta dos jogadores rubro-negros em campo, e dos torcedores nas arquibancadas.

 

 

Aos 35, Marcelinho Paraíba, que havia entrado no lugar de Juan, chutou de fora da área, por cima do gol, assustando o goleiro alvirrubro. Aos 37, foi a vez de Maxi arriscar pelo lado esquerdo e chutar. Diogo espalmou a escanteio. Um minuto depois, Marcelinho de novo. O meia chutou de longa distância, no ângulo esquerdo, mas Diogo foi lá e salvou o que seria o gol de empate.

 

 

Aos 39, Ibson mandou uma bomba de fora da área e acertou o travessão. Pressão rubro-negra. Aos 40, mais um pênalti a favor do Flamengo. Maxi entrou na área e, em lance duvidoso, caiu. Djalmi Beltrami entendeu que o atacante havia sido calçado. Marcelinho Paraíba cobrou bem e empatou a partida.

 

 

Aos 42, mais um lance polêmico: Marcelinho cruzou de perna direita, Everton completou para as redes, mas o auxliar assinalou impedimento, de forma equivocada. Em seguida, outro erro, agora a favor do Fla. Bruno Luiz recebeu a bola em condilção legal de frente para Bruno, fez o gol, mas foi dado novo impedimento, apesar de o atacante estar atrás da linha da bola no momento do passe.

 

 

Até que aos 45, Ronaldo Angelim fez o gol da virada. Marcelinho Paraíba cobrou escanteio da esquerda, e o zagueiro completou de cabeça. Ibson ainda atrapalhou a visão do goleiro, e a bola entrou em seu canto esquerdo. Fim de jogo e, após um sufoco danado e muita polêmica na arbitragem, os rubro-negros puderam comemorar mais uma vitória.

 

 

Globoesporte.com

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Treze empata, escapa do rebaixamento da Série C e acaba sonho de acesso de Botafogo (PB)

Em uma arrancada impressionante, o Treze escapou do rebaixamento da Série C do Campeonato Brasileiro. Numa rodada emocionante e cheia de expectativas, o Galo só precisou empatar em 2 x…

Jogo de “vida ou morte” para Treze e Botafogo (PB), vai definir futuro de paraibanos na Série C do Brasileiro

Chegou o dia da decisão na Série C do Campeonato Brasileiro, e o jogo de vida ou morte para Treze e Botafogo (PB). Quando experiente árbitro Leandro Pedro Vuaden der…