O Rio de Janeiro terá de ficar sem o Maracanã por, no mínimo, dois anos. A informação do fechamento do estádio foi dada na tarde deste domingo, no Palácio da Cidade, na Zona Sul, durante a visita dos inspetores da Fifa à Cidade Maravilhosa. As obras poderão ter início em janeiro de 2010 e deverão acabar somente em dezembro de 2012. De acordo com a secretária estadual de Turismo, Esportes e Lazer do Rio de Janeiro, Márcia Lins, isso será necessário para que o estádio esteja adequado às exigências da Fifa para a realização da Copa do Mundo de 2014, assim como para a realização da final da competição.
 

Entre as diversas obras, uma delas visa dar mais conforto aos torcedores: a construção de uma cobertura que proteja o público das chuvas. Essa não é uma condição imposta pela entidade máxima do futebol mundial, mas foi uma decisão do Comitê Organizador do Mundial. Além disso, novas áreas destinadas à imprensa e camarotes também farão parte do projeto, que custará a metade dos R$ 400 milhões para a obra. O relatório já está nas mãos dos representantes responsáveis pela elaboração dos relatórios sobre as cidades. Nesta segunda-feira, Belo Horizonte será o destino da comitiva.

"Se realmente for possível e necessário, a reforma pode começar ainda neste ano. Nossa idéia é deixar o Maracanã pronto seis meses antes do prazo final da Fifa, que é em dezembro de 2012. Queremos que o torcedor tenha todo o conforto possível por dentro. Será como o novo Wembley, mas sem quebrar a fachada", explicou a secretária, referindo-se ao fato de a fachada do Maracanã ser tombado pelo Patrimônio Histórico.

Ainda de acordo com Márcia Lins, somente depois da paralisação das atividades do Maracanã será possível colocar o projeto em prática. Para isso, uma empresa precisa vencer o edital para a licitação da Parceria Público-Privada (PPP). Uma outra necessidade de adequação será a de que o tempo máximo de evacuação do estádio não seja maior do que oito minutos.

"É difícil falar em tempo. Mas será um longo período. Pelo volume de obras e pelo estudo de viabilidade certamente é um período longo. Mais de um ano e meio, pelo menos", explicou, dando a entender que o tempo de fechamento pode levar até três anos.

Sem-teto

Com a decisão, Flamengo e Fluminense terão de encontrar outro estádio para atuarem neste período de obras. Como o Botafogo tem o Engenhão e o Vasco manda suas partidas em São Januário, os outros dois clubes grandes do Rio de Janeiro deverão buscar alternativas junto com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Visita demorada

Com duas horas e vinte minutos de atraso, os avaliadores da Fifa terminaram a visita ao Rio de Janeiro, a quinta das 17 cidades do cronograma. Logo depois, os integrantes do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014 (o presidente de CBF, Ricardo Teixeira, Joana Havelange, Rodrigo Paiva, Mário Rosa, Carlos Geraldo Langoni, Alexandre Silveira e o consultor de estádios Carlos de La Corte) fizeram um pronunciamento à imprensa. O encontro ainda contou com as presenças do governador Sérgio Cabral e do prefeito Eduardo Paes, que explicou o motivo do atraso.

"Que me desculpem as outras cidades, mas beleza é fundamental. Aqui no Rio a concorrência é desleal. O voo tinha de ser de apenas meia-hora, pedi ao piloto que fosse rápido em alguns pontos, mas integrantes da comissão me pediram para ir mais devagar no Maracanã. Quando chegamos ao litoral, todos ficaram encantados. Descemos no heliporto da Lagoa e me perguntaram se não iríamos ao Cristo Redentor. Não teve jeito, tivemos de subir novamente", explicou o prefeito

 

 

UOL

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Flamengo domina e Athletico tem dois representantes na seleção do Brasileirão 2019

Campeão com 16 pontos de vantagem, o Flamengo dominou, também, os escolhidos para a seleção do Campeonato Brasileiro de 2019. Na noite desta segunda-feira, na festa do Prêmio do Brasileirão,…