Por pbagora.com.br
Foto: Educa Mais Brasil

O exame é eficaz na identificação do nível de conhecimento e otimiza o tempo de aprendizagem

Atualmente, falar em Inglês é uma das habilidades cobradas em diversos processos seletivos. Falar outro idioma é um dos pré-requisitos principais para concorrer às vagas. Nos estudos, a língua possibilita participação em intercâmbios, além de abrir novas oportunidades para concorrer a bolsas de estudos internacionais.

Mesmo sem ter familiaridade com a língua, é possível medir o nível de habilidade que já possui com o idioma, através do teste de nivelamento. O Educa Mais Brasil, por exemplo, disponibilizou em sua plataforma, de forma gratuita e on-line, o teste de nivelamento que permite que o estudante saiba o nível que domina da língua.

Foto: Educa Mais Brasil

A professora Gabriela De-Gino explica que os testes de nivelamento são como uma porta de entrada para quem pretende iniciar os estudos no idioma, assim como otimizam a formação, tendo em vista que o candidato vai ser encaminhado para o nível que esteja melhor adequado ao seu perfil. “O teste de nivelamento pode ser aplicado para observar quais são as habilidades que esse estudante já tem nessa língua, bem como quais são as necessidades de aprendizagem. E aí, dessa forma, o tempo de estudo vai ser otimizado”, afirma.

Os testes de nivelamento são feitos a partir do Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas (CEFR), que serve para analisar a proficiência do estudante em determinado idioma medida através da fala e ou escrita. O teste de nivelamento do Educa Mais Brasil é composto por 25 questões que avaliam compreensão oral, escrita, gramatical e vocabulário. Em apenas 15 minutos, o estudante pode ter o resultado do teste na tela do computador.

“O estudante vai entender qual nível da língua ele está, em qual momento ele deve iniciar esse curso para que o seu processo de ensino-aprendizagem ocorra da melhor maneira possível e para que as habilidades linguísticas desse estudante sejam potencializadas”, conclui a professora Gabriela De-Gino.

Inglês pela internet

O estudante do sexto período de Agronomia na Universidade Federal de Sergipe (UFS), Alisson Souza (23), já estuda há um tempo o Inglês por conta própria pela internet, mas aumentou a frequência durante a pandemia do novo coronavírus, aproveitando maior tempo em casa.

Alisson não segue um roteiro e utiliza o YouTube como plataforma de estudos, assiste séries, ouve músicas e usa aplicativos como parte do seu material de estudos. “A maior dificuldade é que eu fico com preguiça. Às vezes tem alguma coisa que eu gostaria de perguntar a um professor, mas não tem como, então a dificuldade mesmo é só a preguiça”, brinca o estudante.

“Uma coisa muito produtiva quando se está aprendendo uma língua estrangeira é começar a partir das coisas que nós gostamos. Não deixa de ser produtivo durante o processo de estudo assistir a um episódio de uma série que você gosta. Primeiro com legenda, depois sem para entender como está funcionando ali o vocabulário, por exemplo”, diz a professora Gabriela ao explicar que não vê problema em estudar pela internet, desde que haja atenção por parte dos estudantes. Gabriela também sugere o estudo do idioma de modo mais afetivo, ou seja, a partir dos gostos dos alunos.

Junto com uma equipe de professores especialistas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), Gabriela integra a equipe do Projeto Me Explica, também do Educa Mais Brasil. O Me Explica produz séries de vídeos educativos no YouTube a partir do que é cobrado pelas competências do Enem. Os vídeos podem ser vistos separados por assuntos, o conteúdo é disponibilizado gratuitamente, através do endereço: https://www.youtube.com/user/educamaisbrasil/playlists

 

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Normas para realização de aulas de cursos técnicos em institutos federais são prorrogadas pelo MEC

Em portaria publicada nesta terça-feira (4) no Diário Oficial da União (DOU) o Ministério da Educação (MEC) autorizou as aulas a distância ou a suspensão temporária para atividades de instituições…

Retomada das aulas presenciais pelo Brasil: veja as previsões em cada UF

O Portal Nacional da Educação apurou que na maioria dos estados brasileiros ainda não há um plano definitivo da retomada gradual das aulas presenciais nas escolas e universidades (públicas e…