Mesmo com as campanhas intensificadas para que não haja o exame, mediante a pandemia do novo coronavírus, no qual escolas de todo o país fecharam as portas dificultando o acesso à educação de jovens, o calendário está mantido. O Governo Federal via o Ministério da Educação (MEC) decidiu não adiar as inscrições nem a data para a realização do exame que segue programado para novembro. Tal decisão provocou divergências de opiniões entre representantes do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Estado da Paraíba (Sintep-PB) e do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino Privado da Paraíba (Sinepe/Pb) vê com ‘bons olhos’ a realização do Enem em novembro.

 

Para o Sintep-PB a decisão do MEC merece total repúdio e diz que o momento exigiria do governo federal mais sensibilidade. “Infelizmente vai aumentar, e muito, o fosso que distancia os alunos da rede pública e privada, deixando ainda maior essa discriminação”, diz Antônio Arruda, coordenador geral do sindicato que reúne cerca de dez mil associados em todo o estado. Na opinião do sindicato adiar o Enem para os primeiros meses de 2021 seria a atitude mais correta a ser tomada.

 

“Nós percebemos o esforço de toda a rede pública que tem trabalhado para que haja um maior equilíbrio em relação aos alunos da rede privada, mas nós sabemos que para seguir nos estudos é preciso estrutura com boa internet e computador e nesse aspecto quem tem melhor situação vai ser privilegiado”. A falta de ‘sensibilidade para o momento’ por parte Ministério da Educação e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) também foi destacada em notas emitidas pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) que pediram suspensão do edital. O Ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou em entrevista que o Enem não foi feito para fazer justiça social”, comentou.

 

No outro âmbito o Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino Privado da Paraíba (Sinepe/Pb) vê com ‘bons olhos’ a realização do Enem em novembro. O presidente do órgão que reúne quase 700 escolas de pequeno, médio e grande porte de todo o estado, Odésio Medeiros, acredita que as questões colocadas não justificam a mudança nas datas de realização das provas. “Essa diferença de estrutura e acesso entre os alunos da rede privada e pública sempre existiu e sempre existirá. E os alunos precisam manter o ritmo para que estejam aptos a fazerem o Enem em Novembro”, disse.

 

Calendário Enem 2020

Fases da inscrição           Datas

Prazo para solicitar a isenção     de 6 a 17 de abril

Resultado dos pedidos de isenção          24 de abril

Prazo de inscrição           de 11 a 22 de maio

Divulgação dos locais de prova  Data não definida

Aplicação das provas digitais      22 e 29 de novembro

Aplicação de provas impressas 1 e 8 de novembro

Divulgação dos resultados          janeiro de 2021

 

Quem tem direito a isenção no Enem 2020?

  • Estudantes que estejam cursando a última série do ensino médio no ano de 2020, em qualquer modalidade de ensino, em escola da rede pública ou tenha cursado todo o ensino médio em escola da rede pública ou como bolsista integral na rede privada.
  • Necessário ter renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo.
  • Inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).

Para solicitar é preciso entrar na Página do Participante do Enem. Não há exceções, a única maneira de entrar na fila de requerimento é o formulário digital. Depois das análises dos dados, será validada a isenção.

Vale ressaltar que estudantes isentos de pagamento no Enem 2019 e tiveram falta em algumas das provas, para realizar a solicitação neste ano é necessário apresentar uma justificativa. O sistema indicará, se este for o caso, os documentos necessários para justificar e não ficar de fora da isenção.

 

Redação

Deixe seu Comentário