Os resultados individuais do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ainda nem foram publicados, mas o assunto já é motivo de burburinho nas redes sociais. A previsão do Ministério da Educação (MEC) é que a divulgação seja realizada amanhã, dia 17.

A nota do exame é fundamental para o ingresso no ensino superior público e privado por meio de programas do governo como o Sisu e o Prouni, cujas inscrições estão programadas para a semana que vem.

Tawan Lopes, de 19 anos, é uma das 3,7 milhões de pessoas que fizeram a prova nos dias 3 e 10 de novembro do ano passado e espera ansioso pelas notas. Para o jovem, o resultado do Enem definirá os seus próximos passos em relação ao futuro nos estudos. Segundo ano em que participa do Enem, Tawan espera desta vez ser estudante do curso de Direito ou Psicologia, sua segunda opção de graduação, da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Ainda sem os resultados em mãos, ele confia no seu desempenho na avaliação. “Achei a prova bem equilibrada e neutra com relação a temas polêmicos, bem conteudista e elaborada. Acredito ter feito uma boa prova mais tranquila e consciente, pois me preparei nos últimos cinco meses que antecederam a prova”, afirma.

As notas do Enem poderão ser conferidas na Página do Participante ou no Aplicativo do Enem, organizadas por área de conhecimento: matemática e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; linguagens, códigos e suas tecnologias e ciências da natureza e suas tecnologias. Além da nota da redação, que vai de 0 a 1000 pontos.
Independentemente dos resultados, o fundamental é manter os estudos em dia. Seja para encarar a futura graduação ou se preparar mais um ano para o Enem. É como pensa Tawan que não quer deixar de lado o foco de estudar em uma universidade pública.

“Se eu não conseguir nesse semestre, pretendo mais uma vez fazer cursinho pré-vestibular e intensificar minha preparação para concretizar meu sonho de estudar numa universidade pública que seja referência no país”, conclui o estudante.

Saiba como é calculada a nota do Enem

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio (Inep), responsável pela avaliação, utiliza os critérios da Teoria de Resposta ao Item (TRI). Diferente de uma prova comum, onde 5+5=10, essa metodologia não apresenta o resultado a partir da proporção de acertos dos candidatos na prova.

Por isso, participantes que responderam corretamente um mesmo número de questões podem ter notas finais diferentes. A TRI leva em conta a dificuldade das questões acertadas. Por exemplo, se um candidato errou muitas questões consideradas fáceis e acertou as mais difíceis pode-se supor que tenha havido chute nas respostas, o que contribui para o peso da questão. A nota da redação do Enem segue critérios  tradicionais de correção.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Gabaritos trocados: ministro admite erros na nota do Enem 2019

Um dia depois de dizer que o Enem 2019 foi o melhor de todos os tempos, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, admitiu erros na correção das provas. Ele revelou neste sábado (18)…

UFPB oferece mais de 7.800 vagas no Sisu; inscrições começam terça

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) oferece em 2020 7.872 vagas para cursos de graduação nesta primeira edição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). De acordo com a instituição, as…