Cerca de 120 mil estudantes das escolas particulares da Paraíba – exceto Campina Grande -, vão ficar sem aula nesta sexta-feira (20). Os professores e técnico-administrativos da rede privada vão paralisar suas atividades para discutir durante dois dias, em congresso, na cidade de Patos, a proposta salarial da categoria para o exercício 2009/2010, cuja data base é 1° de maio.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino Privado da Paraíba (Sinteenp-PB) a suspensão das aulas faz parte da cláusula 24 da Convenção Coletiva do Trabalho (CCT) firmado no ano passado, que prevê também punição para as escolas que teimarem em realizar qualquer atividade em dias de assembléias liberadas (03 no ano).
A campanha salarial dos trabalhadores em educação das escolas particulares foi iniciada no último dia 7, com assembléias regionais realizadas em João Pessoa, Patos e Cajazeiras. Nesses encontros, foram escolhidos os delegados responsáveis pela elaboração do documento de reivindicação.

Segundo o coordenador de gestão do Sinteenp/PB, entidade que agrega cerca de seis mil professores e quatro mil técnico-administrativos, uma minuta já foi alinhavada e contempla basicamente todas as alterações reivindicadas pela categoria na Convenção Coletiva de Trabalho. O documento final será encaminhado e discutido com a classe patronal.
A luta, de acordo com Avenzoar Arruda, é para que nenhum professor receba um salário inferior ao piso nacional para os professores, nos termos da lei 1738/08, respeitando-se o limite de horas aulas.
 

 

Assessoria

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Para facilitar entendimento das leis, professora cria revista em quadrinhos

Uma ideia pensada para ajudar “concurseiros” nos estudos sobre a Constituição Federal (C.F) acabou ganhando atenção de um público ainda longe de se aventurar nos concursos: crianças e adolescentes. A…