Caso as denúncias de formação de cartel na base da cadeia produtiva do álcool sejam comprovadas, as distribuidoras e usinas poderão ser proibidas de atuarem na Capital e ficarão sujeitas a multas que chegam a R$ 54 milhões. A informação é do coordenador executivo do Procon-JP, Watteau Rodrigues. Ontem, o proprietário do posto Expressão, no Bessa, Marconi Morais, oficializou junto ao órgão acusações feitas na imprensa. Ele também pediu ao governo do Estado combate ao escoamento da safra paraibana para o Sul do País.

"Faremos a investigação e, se necessário, tomaremos as providências para apuração em esfera penal", afirmou Watteau Rodrigues. "Já na esfera do consumidor, aplicaremos as sanções previstas pelo Código. Elas vão desde a aplicação de multa, que varia de 200 Ufir a 3 milhões de Ufir (uma unidade equivale a R$ 18). A lei prevê até cassação de funcionamento. Isso quer dizer que poderemos proibir essas distribuidoras de atuarem em João Pessoa", frisou.

Depois de ser notificado pelo Procon-JP para esclarecer as denúncias feitas na imprensa local, o empresário Marconi Morais compareceu ao órgão, munido de vários documentos e notas fiscais. Ele reafirmou o suposto "conchavo" entre os dois pilares da base produtiva para nivelar os preços. "As usinas e distribuidoras estão passando o preço aos postos de forma combinada (com reajuste). Assim, forçam os proprietários a aumentarem o valor do combustível nas bombas", ressaltou. "Minha causa é para que não seja permitido esse aumento, pois estamos em plena safra", observou.

Marconi também levanta a possibilidade de a safra do álcool na Paraíba estar sendo escoada para outras regiões do País, resultando no encarecimento do produto. "Eles estão mandando o produto para São Paulo. Nesse ponto, é necessária a intervenção do governo estadual. Uma opção seria taxar o nosso álcool para que ele não saísse do estado", sugeriu.

Esta semana, Marconi havia denunciado o reajuste em 14,11% no litro do álcool por parte das distribuidoras. O empresário informou que a justificativa dada a ele sobre o aumento seria a alta de preço das usinas. "Só peço que [os órgãos fiscalizadores] cheguem até as distribuidoras e usinas. Esses são intocáveis e ninguém ainda teve coragem de ir até lá", desabafou.
 

O Norte

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Concursos com editais publicados oferecem 301 vagas na Paraíba

Pelo menos 301 vagas são oferecidas em cinco editais de concursos publicados na Paraíba nesta semana de 17 a 24 de novembro. As vagas estão sendo ofertadas pelas prefeituras de…