Por pbagora.com.br

Apesar de criticar o agronegócio brasileiro, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) começa a exportar soja para a Europa. A produção vem de terras de um assentamento no Mato Grosso do Sul. Na Europa, a distribuição e comercialização será realizada pela empresa suíça Gebana, especializada em agricultura orgânica. Essa, porém, será a primeira vez que uma produção de uma terra da reforma agrária nas mãos do MST chega aos mercados internacionais.
"Estamos trabalhando com o MST e nossa esperança é a de conseguir colocar a produção dessas terras em um mercado premium na Europa", afirmou ao Estado o presidente da Gebana, Adrian Wiedmer. "Queremos mostrar que há espaço para essas exportações e que elas não precisam seguir o modelo do agronegócio tradicional que vigora na região (Centro-Oeste) do Brasil", disse.

A Gebana já está no Brasil há doze anos. Mas até agora trabalhava apenas com agricultura familiar. O principal foco da empresa era o estado do Paraná. "Nossos principais interlocutores eram pequenos fazendeiros e famílias dispostas a trabalhar com produtos orgânicos", explicou Wiedmer.

No final do ano passado, porém, a empresa decidiu ir além e fechar negócios com o MST. A proposta é de que os assentamentos produzam gergelim orgânico e soja para o mercado internacional. "Esses produtores agora já ingressam na cadeia produtiva em um segmento de alta gama, com um produto diferenciado", afirmou o presidente da empresa.

No Mato Grosso do Sul, o assentamento escolhido foi de Ponta Porã, onde 80 famílias passaram a produzir soja. 30 hectares foram escolhidos para a produção destinada ao mercado europeu. A empresa garante que paga 40% a mais pela soja orgânica produzida por meio desse acordo que o mercado local gastaria com esses produtores.

Wiedmer admite que existem alguns obstáculos na expansão da cooperação entre a empresa e o MST. "Muitos agricultores desses assentamentos não tem experiência na produção. Estamos tentando superar esse obstáculo", afirmou.

Outra meta é garantir ganhos sociais para esses trabalhadores rurais. "Como muitos não tem experiência na produção, acabam arrendando as terras que recebem da reforma agrária. Isso não é um bom resultado, já que continuam dependentes do que outros produzem. Nosso objetivo é o de também conseguir que esses trabalhadores rurais passem a atuar em suas terras como agricultores", afirmou o presidente da empresa.

Além do Brasil, a Gebana também atua em países africanos, como Burkina Faso. Os europeus estimam que, diante da difusão da soja transgênica, haverá um nicho de mercado cada vez mais claro para a soja orgânica. "A soja orgânica irá até mesmo gerar uma renda maior a esses produtores", afirmou.

Hoje, a Gebana atua em alguns dos maiores mercados europeus e nos Estados Unidos.

Estadão

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Duas apostas da PB acertam cinco números da Mega Sena e levam quase R$ 29 mil/cada

Uma aposta feita na loteria Escrete de Ouro, que fica no bairro de Mandacaru, em João Pessoa e outra, em Campina Grande realizada na Loto Mania, no Centro da cidade…

Concursos oferecem pelo menos 641 vagas de empregos na Paraíba

Oportunidade de emprego. Pelo menos 641 vagas são oferecidas em oito editais de concursos e seleções publicados na Paraíba, nesta semana de 27 de setembro a 4 de outubro. A…