A carga tributária brasileira seguiu crescendo como proporção do Produto Interno Bruto em 2008, apesar da extinção da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). A conclusão é da Confederação Nacional de Municípios (CNM), que todos os anos divulga estudo sobre o tema.

 

Segundo a entidade, somando-se União, Estados e municípios, os governos arrecadaram o equivalente a 37,58% do PIB, mais de um ponto percentual acima do verificado em 2007 (36,48%). Segundo o estudo da CMN, em 11 anos a carga tributária já cresceu mais de 10 pontos porcentuais do PIB, passando de 27,44% do PIB em 1997 para os 37,58% de 2008.

 

Em valores nominais, a carga de impostos e contribuições pagos por empresas e pessoas saiu da casa dos bilhões e alcançou a simbólica marca de R$ 1,09 trilhão em 2008, ante R$ 947,55 bilhões em 2007. Desses recursos, os municípios responderam por 3,4% (R$ 56,9 bilhões), e a União, por 68,5% (R$ 746,8 milhões).

 

Na esfera federal, os números da CNM indicam que a carga tributária passou de 25,2% para 25,73% do PIB de 2007 para 2008. Nos estados, a carga subiu de 9,38% para 9,89% do PIB e nos municípios, de 1,9% para 1,96% do PIB.

 

A CNM usa critérios diferentes dos da Receita Federal para medir a carga tributária. Uma das principais diferenças é a arrecadação das três esferas de governo com royalties sobre exploração de petróleo e outros recursos naturais. Eles entram na conta da CNM mas ficam de fora da do governo federal.
 

 

G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Concurso públicos oferecem mais de 416 vagas de emprego na Paraíba

Pelo menos 416 vagas são oferecidas em seis editais de concursos e seleções publicados na Paraíba, nesta semana de 26 de janeiro a 2 de fevereiro. Seleção da Prefeitura de…