Em janeiro, a inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,48%, 0,20 ponto percentual a mais do que a taxa registrada no mês de dezembro (0,28%), informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (6). Em janeiro de 2008, a taxa havia sido 0,54%.

 

O avanço do índice acontece depois de dois meses de desaceleração do índice, que vinha perdendo força em novembro e dezembro.

 

 

O resultado é maior do que estimavam analistas, que esperavam alta de 0,42% para o IPCA em janeiro, de acordo com a mediana e a média dos prognósticos de 27 instituições consultadas pela agência de notícias Reuters.

 

 

Os alimentos ficaram entre os destaques de aumento no índice de janeiro: passaram de 0,36%, em dezembro, para 0,75%. O feijão carioca (de -19,02% para 3,47%) e o feijão preto (de -6,95% para 0,84%) foram os alimentos que mais subiram de um mês para o outro.

 

 

As tarifas de ônibus urbanos tiveram a maior contribuição individual para a aceleração do mês; subiram 3,24%, enquanto os ônibus intermunicipais variaram 2,92%, refletindo "reajustes ocorridos em 2008 e no início deste ano", segundo o IBGE. Com a alta, o grupo Transportes reverteu deflação de 3% em dezembro e passou a inflação de 0,35%.

 

Segundo o Instituto, os combustíveis também ficaram mais caros em janeiro: passaram de -0,04%, em dezembro, para 0,53%, em janeiro, em decorrência dos resultados da gasolina (de -0,09% para 0,42%) e do álcool (de -0,04% para 0,71%).

 

De dezembro para janeiro, o aumento no resultado de Habitação (de 0,28% para 0,49%) foi influenciado pela aceleração da taxa dos aluguéis residenciais (de 0,56% para 1,01%) e condomínio (de -0,08% para 1,09%).

 

 

A alta dos preços ficou quase estável na comparação dos últimos doze meses: a variação ficou em 5,84%, pouco abaixo da taxa dos doze meses imediatamente anteriores (5,90%). Em janeiro de 2008 a taxa havia sido 0,54%.
 

 

O IPCA é o índice oficial utilizado pelo Banco Central para cumprir o regime de metas de inflação, determinado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

 

 

INPC

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação para famílias de baixa renda, que ganham de um a seis salários mínimos, apresentou variação de 0,64% em janeiro, bem acima do resultado de 0,29% de dezembro.

 

 

Nos últimos doze meses, a variação foi de 6,43%, resultado pouco abaixo da taxa imediatamente anterior (6,48%). Em janeiro de 2008, o INPC foi 0,69%.

 

Os produtos alimentícios apresentaram variação de 0,53%, em janeiro, superior ao resultado de dezembro (0,12%). Já os não alimentícios aumentaram 0,69%, em janeiro, e 0,36% em dezembro.

 

Na análise das regiões, o maior resultado do INPC foi registrado em Belo Horizonte (1,50%), onde as tarifas dos ônibus urbanos subiram 9% e as dos intermunicipais, 8,42%. Em Recife (-0,09%), onde o grupo Alimentação e Bebidas teve o menor resultado do mês (-0,40%), ocorreu deflação.

 

Para cálculo do índice do mês foram comparados os preços coletados no período de 30 de dezembro a 28 de janeiro (referência) com os preços vigentes no período de 27 de novembro a 29 de dezembro (base).

 

 

O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979 e abrange nove regiões metropolitanas do país, além do município de Goiânia e de Brasília.

 

G1

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Prefeitura de Campina Grande abre consulta sobre cidades inteligentes

Cidadãos podem participar enviando mensagens e vídeos sobre o que esperam de uma cidade inteligente até o dia 26 de agosto Cidades inteligentes não são apenas um sonho do futuro.…