Por pbagora.com.br

Fabricantes nacionais estudam fusão para criar ‘gigante’, segundo a Abrinq.
Expectativa do setor é fechar o ano com faturamento de R$ 5 bilhões.

A indústria brasileira de brinquedos se prepara para registrar o melhor ano de sua história – apesar da concorrência chinesa. Segundo o presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), Synésio Batista da Costa, a expectativa é fechar o ano com faturamento de R$ 5 bilhões.

“Não é o maior ano desde alguma coisa. É o maior ano desde sempre. A gente acha que é a vez do brinquedo”, diz Synésio, que participou na última semana da Feira Nacional de Brinquedos (Abrin), em São Paulo.

Esse faturamento corresponde a um crescimento de 12% sobre o ano passado. Desses, pelo menos 5% a indústria pretende crescer ‘retomando’ o espaço perdido para os chineses. Hoje, as indústrias brasileiras têm 55% do mercado nacional de brinquedos, enquanto os outros 45% estão nas mãos dos orientais.

“Estamos fazendo um programa de retomar parte do mercado do chinês. Nós apresentamos os gargalos que o setor tem ao governo, que está ajudando a remover. O maior deles é que nós precisamos de alíquota zero para importação de partes e peças”, diz o presidente da Abrinq.

Para fazer frente aos chineses, grandes empresas de brinquedos do Brasil estudam uma associação que pode dar origem a uma gigante do setor, segundo Synésio, com faturamento de R$ 250 milhões. Ele não diz quais fabricantes podem fazer parte da associação: “algumas das maiores do Brasil, nenhuma com capital aberto” – o que exclui a Estrela, única com ações negociadas em bolsa.

“Não é suficiente, mas dá pra melhorar a competição. E também mostra que a gente não tá parado, tá reagindo”, aponta ele.

Pelos cálculos da entidade, produzir um brinquedo na China é hoje oito vezes mais barato do que no Brasil, tanto pela escala de produção quanto pelo custo da mão de obra. Por isso, os chineses não devem ficar de fora da associação: “nós estamos juntando algumas empresas e a ideia é ter um parceiro americano e um parceiro chinês”, diz o executivo.

Os chineses seriam responsáveis exatamente pelas partes e peças – essas para as quais o setor quer zerar a alíquiota de importação. “São artigos que a gente não tem economia de escala”, diz Synésio.

A estimativa da entidade é que, com essas medidas, os brinquedos possam agradar também ao bolso do consumidor: “significa preço mais barato, em torno de 3%”, afirma.
 

 

 

G1

Notícias relacionadas

Quase 60 estabelecimentos são autuados por descumprimento decretos

Em menos de dois dias, quase 60 estabelecimentos foram autuados pelo Procon-PB por descumprimento decretos restritivos em combate a Covid-19. Ao todo, 59 estabelecimentos entre circos, academias, bares e restaurantes,…