A Paraíba o tempo todo  |

Imigrantes venezuelanos reconstroem a vida no Estado da Paraíba

“Imigrar não é fácil. Para fazer a travessia da fronteira da Venezuela para Roraima é preciso muita força de vontade. Eu vim um mês depois do meu marido com nossa filha de nove anos, minha irmã e sobrinhos. Enfrentamos muitas dificuldades, pedíamos comida de porta em porta, à noite tinha que arranjar papelão para meu filho dormir, mas o momento mais difícil do percurso foi quando minha sobrinha de três meses veio a óbito”, contou Nair Rojas. Este relato é apenas de um dos 218 venezuelanos que chegaram à Paraíba de julho a dezembro do ano passado. A transferência dos refugiados de Roraima para outros estados faz parte do processo de interiorização do Governo Federal em parceria com a Organização das Nações Unidas no Brasil.

 

Pedro Rafael é marido de Nair Rojas. Trabalhava em uma empresa de petróleo, ganhava bem, mas devido à crise política e humanitária na Venezuela deixou o país caminhando 18 km até a fronteira de Roraima. Hoje é mais um que luta por condições melhores para sua família. “Eu, minha esposa, minha filha de nove anos e outro de 17 anos, viemos tentar a vida aqui. Estávamos em Roraima, mas lá eu trabalhava por diária. Aqui no Brasil fiz cursos de capacitação e estou concorrendo a uma vaga de eletricista. Minha esposa já está trabalhando em uma pizzaria”, disse.

 

Tanto a Casa do Migrante quanto as Aldeias infantis SOS Brasil abrigam refugiados em busca de um recomeço de vida. O acolhimento é rotativo e à medida que os imigrantes vão se estabilizando na cidade, surgem novas vagas. O papel dessas instituições, além do acolhimento, é oferecer os serviços de assistência social básica como inserção das crianças em creches e escolas, bolsa família, auxílio-moradia e serviços de saúde. Além disso, ambas as instituições realizam um diagnóstico inicial de todas as famílias, para identificar as competências e habilidades de cada membro, a fim de traçar um perfil e encaminhá-los para entrevistas de emprego.

 

A ONG Aldeias infantis SOS Brasil (sede João Pessoa) e a Casa do Migrante necessitam de doações de utensílios domésticos (botijão de gás, geladeira, fogão, guarda-roupa, colchão) em bons estados de conservação, principalmente para as pessoas que estão em processo de desligamento da instituição.

 

 

Redação

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe