Em um período marcado por notícias de demissões e prejuízos de grandes empresas, marcas tradicionais e de luxo estrangeiras parecem descobrir o mercado brasileiro. De outubro de 2008, quando começaram a surgir informações consolidadas sobre a crise financeira internacional, até agora, pelo menos sete empresas anunciaram – ou abriram – negócios no Brasil.

As empresas são dos mais variados setores: desde uma grife de alto luxo de sapatos até uma unidade de uma rede especializada em hambúrgueres. Em comum, têm uma reputação internacionalmente conhecido e um histórico sólido.

 

Esses investidores são o estilista de sapatos de alto luxo Christian Louboutin, o estilista norte-americano e designer da Louis Vuitton Marc Jacobs, a marca inglesa de ‘fast-fashion’ Topshop, a rede norte-americana de restaurantes P.J.Clarke’s, a rede de casas norturnas Pink Elephant, a marca italiana de jeans Fiorucci e a fabricante de motos tipo scooter Lambretta.

 

Hamburguer tradicional

Fundada em 1884, a rede nova-iorquina P.J. Clarke’s chegou ao Brasil em novembro do ano passado, no mesmo momento em que o mundo começava a usar o termo “recessão” para definir sua situação econômica.

A empresa abriu uma casa no bairro paulistano do Itaim, onde serve hambúrgueres e clássicos da cozinha norte-americana.

A sócia Maria Rita Pikielny Marracini, que trouxe a marca ao Brasil, conta que o projeto da unidade paulista é pré-crise. “Já tinha um ano, um ano e meio que discutíamos quando a crise estourou. Era um momento bem diferente, bem pujante, principalmente nos Estados Unidos.”

Marracini diz que o projeto era “mais agressivo” inicialmente e que foi preciso “segurá-lo”. “Não nos preocupamos tanto, mas, obviamente, reavaliei mais um pouco. Seguramos o investimento, para ir com calma. Fui com mais cautela.”

Segundo ela, a crise é notada no movimento do restaurante, que ficou um pouco abaixo das expectativas iniciais. Esse reflexo não é o suficiente, no entanto, para cancelar os planos de abrir mais unidade – apenas remodelá-lo. “Vou fazer um investimento mais pé no chão, com a realidade que aprendi em São Paulo. Talvez não faça uma casa tão grande como essa”, diz.

 

Balada

Em dezembro, a versão brasileira da também nova-iorquina Pink Elephant abriu suas portas.

 

Diferentemente do exemplo citado pela comandante brasileira do P.J.Clarke’s, o sócio que comanda a franquia brasileira da boate Thiago Mansur, diz que não sentiu os reflexos da crise no negócio e que as expectativas, no ato da abertura, já foram “rebaixadas”.

“Elas superaram muito. Por conta da crise, não sabíamos o que ia ser desenrolado, o quanto eles [os clientes] estariam dispostos a gastar. Então, mesmo nas nossas melhores expectativas, o negócio acabou superando”, diz Mansur que afirma acreditar que o mercado de luxo leva vantagens no cenário financeiro internacional e que não “sofreu tanto com essa crise”.

“O Brasil tem demanda, tem um público que busca o mercado de luxo, do alto padrão, de vestuário, de bebidas, carros, o que a gente precisa é seguir os padrões de fora e atender expectativas do consumidor”, afirma.

 

Alto luxo no pé

Se há demanda por luxo, há oferta. No começo do ano, São Paulo abriu as portas para a primeira butique da América Latina do norte-americano Marc Jacobs, nos Jardins, e, em março, inaugura a loja nacional do designer francês de sapatos Christian Louboutin, com trabalho voltado para clientes "AAA", no shopping Iguatemi, também em São Paulo.

 

A marca Louboutin é hoje encontrada em 46 países, em famosas lojas de departamento como Saks, Neiman Marcus, Barney’s, Harvey Nichols e Bergdorf Goodman.

 

Os sapatos de solado vermelho – marca registrada da Louboutin – e, mais recentemente, as bolsas, estão presentes também em 16 lojas próprias, dentre elas em Paris, Londres, Nova York, Los Angeles, Moscou, Cingapura, Hong Kong e Jacarta. Seus sapatos são fabricados na Itália e criados no ateliê do designer.

O interesse pelo Brasil foi do próprio Louboutin, que comandará a operação no país e chega nesta segunda-feira (9) para apresentar o projeto ao mercado nacional.

Já a abertura da loja de Jacobs é resultado de oito meses de negociação com a empresária Natalie Klein, que já comandava a multimarcas NKStore e que já vendia peças do estilista, que também faz design para a francesa Louis Vuitton. A versão nacional reúne as duas linhas de Jacobs, a Marc Jacobs Collection, primeira linha, e a Marc by Marc Jacobs, mais despojada, em roupas, sapatos, óculos, bolsas, pulseiras e colares, além de produtos em couro.

 

Fast-fashion

Mas nem só de mercado de luxo vive o interesse internacional pelo Brasil. A marca de "fast-fashion" – roupas modernas, que seguem as últimas tendências de moda, por um preço bem acessível – inglesa Topshop começa a ser vendida no país na próxima semana na loja 284, na Villa Daslu.

Inaugurada em 1964 na Inglaterra, a Topshop tem cerca de 300 lojas no Reino Unido e outras cem em diferentes países.

Para começar a operação no país, a empresa traz um lote de mais de mil peças, entre calças, camisetas, coletes, jeans, saias, shorts, tops e vestidos, além de acessórios. Além do preço, outro atrativo da grife inglesa é a linha assinada pela top model Kate Moss.

 

Ressurreição

Enquanto marcas novas entram pela primeira vez no mercado brasileiro, a italiana Fiorucci, preferida do público fashion nos anos 80 no Brasil, tenta costurar a ressurreição no mercado brasileiro de cara nova.

 

Depois de um período de crise nos anos 90, a Fiorucci acabou comprada pelo grupo japonês Edwin, que concedeu à gaúcha Supermarcas o direito de explorar a marca no Brasil em 2006.

Desde então, a empresa terceirizou a produção dos jeans e malharias – confeccionados pela capixaba Lei Básica – e também de bolsas e calçados, que são divididos pela gaúcha Calçados Miúcha e Cordez, com sede em São Paulo.

 

Agora, a companhia se prepara para abrir sete lojas exclusivas da marca até o fim deste ano, que se juntará à unidade-conceito que já existe em Foz do Iguaçu, no Paraná. Os projetos das novas lojas não estão 100% fechados, mas a expectativa do sócio da Supermarcas, Moacir Galbinski, é que os mercados de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília sejam atendidos pelas lojas da Fiorucci.

 

O empresário define o estilo da Fiorucci – que já foi sonho de consumo – como “luxo acessível”.
 

De moto

Moacir Galbinski diz que a Supermarcas pretende trazer outra marca famosa de volta ao imaginário brasileiro – trata-se das motocicletas Lambretta, que voltarão em versão repaginada, mas ainda retrô, a partir do segundo semestre.

 

O objetivo, segundo o empresário, é lançar o novo modelo da Lambretta no Brasil, em outubro, de maneira simultânea à apresentação na Itália. O sócio da Supermarcas diz que ainda não definiu como a moto chegará ao Brasil – pode ser por meio de importação ou pela terceirização da produção no pólo de duas rodas da Zona Franca de Manaus.

 

Galbinski diz preferir a segunda opção. “Nossa missão é trazer essas marcas famosas e garantir sua produção no Brasil", diz ele, citando a Fiorucci e a empresa de cama, mesa, banho e decoração britânica Laura Ashley, que é produzida no país pela Artelassê, de Itatiba (SP).

O empresário não vê efeito relevante da crise na área de grifes famosas e planeja também projetos para marcas como Pepsi e Beverly Hills Polo Club, cujos direitos a empresa acaba de acertar para o mercado brasileiro. “Essa crise ficou só na divulgação, na mídia. O nosso mercado vem em [trajetória] crescente. O mercado de grifes está crescendo e sabemos que vai continuar a crescer."

 

G1

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Eduardo destaca empreendedorismo com crescimento de pequenos negócios

Dados da Receita Federal divulgados pelo Sebrae Paraíba mostram que o número de pequenos negócios cresceu 25,5% em três anos. Em julho de 2016, o estado contava com 131.762 pequenas…