O governo reduziu o valor a ser destinado para o pacote habitacional, previsto para ser anunciado na próxima semana. Na última versão da medida, o governo decidiu usar R$ 6,5 bilhões do Tesouro para subsidiar a construção de 200 mil moradias para famílias com renda mensal de até três salários mínimos (R$ 1.395), contra a previsão, no fim do mês passado, de beneficiar 400 mil famílias com renda até R$ 1.395, para o que seria preciso um subsídio de cerca de R$ 10 bilhões, informa Kennedy Alencar, em reportagem publicada na edição da Folha desta quarta-feira.

Segundo a reportagem, a redução reflete "o forte recuo da economia no final de 2008 e o aumento do pessimismo para este ano, com queda de arrecadação". "Com a mudança, aumentará a parcela de pessoas que precisarão de financiamentos bancários e receberão apenas benefícios indiretos, caso seja mantida a última versão do pacote levada ao presidente Lula."

"As 200 mil moradias mais simples têm um custo médio estimado de R$ 40 mil. A cobrança de mensalidades simbólicas, entre R$ 10 e R$ 20, durante 20 anos devolverá ao FGTS o R$ 1,5 bilhão usado para financiar as moradias mais populares, calcula o governo", diz a reportagem.

Na semana passada, a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) disse que o programa de habitação a ser lançado pelo governo promoverá o financiamento direto ao mutuário com a inclusão de um seguro de vida para os beneficiados. Segundo a ministra, o programa prevê "subsídios pesadíssimos".

Ela disse que a preocupação do governo é dar condições para que os trabalhadores de baixa renda tenham meios de adquirir um novo imóvel e ainda pagar o aluguel de onde vivem.

De acordo com a ministra, o programa vai ter subsídios para dois padrões de casa: um modelo popular, para quem ganha até três salários (R$ 1.395), e um superior, para quem tem renda de até R$ 4.650. O valor máximo do imóvel será R$ 130 mil. Dilma afirmou então que as prestações serão de até 20% da renda. Assim, quem ganha dez mínimos pagará, no máximo, R$ 930 de prestação. O financiamento será de 20 anos.

 

Folha Online

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês consecutivo

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) cresceu 0,2% no país na passagem de setembro para outubro deste ano e chegou a 93,3 pontos em uma escala de zero a…