A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed), ligada à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), divulgou nesta quarta-feira (11) que o índice máximo para o reajuste do preço de medicamentos poderá ser de até 5,9% em 2009.

 

A medida vale para 20 mil remédios comercializados no país e a lista completa deverá ser publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (12).

O preço máximo ao consumidor determinado pela Cmed não poderá ser ultrapassado por um ano, até março de 2010. Para que possam reajustar seus medicamentos, as empresas deverão apresentar, até o dia 31, um relatório de comercialização com os preços que pretendem praticar depois da correção autorizadas.

 

Em caso de descumprimento das regras, as farmacêuticas estão sujeitas a multa de até R$ 3,2 milhões.

 

Febrafarma

Em nota, a Federação Brasileira da Indústria Farmacêutica (Febrafarma) informou que os laboratórios tendem a aplicar reajustes inferiores ao teto, afirmando que "a dinâmica do mercado equaliza os preços". A entidade também criticou a carga tributária do setor, que atualmente está em 33,8%, em média.

 

G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Estado registra retração de 6,5% em repasse do FPE, no último semestre

O Boletim da Sefaz-PB dos Impactos da Covid-19” chegou em mais uma edição, com a seguinte novidade: A Paraíba registrou uma retração de 6,55% no repasse do Fundo de Participação…

Prazo de cadastramento para receber o auxílio emergencial termina hoje

Foi anunciado pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, que nesta quinta-feira (2) será o último dia para solicitação de cadastramento no auxílio emergencial para quem tem direito. Depois…