A General Motors anunciou nesta terça-feira (10) que irá reduzir em 14% a força de trabalho da empresa até o fim deste ano, demitindo 10 mil funcionários, além de diminuir temporariamente os salários da maioria dos empregados que permanecerem na empresa.
Nos Estados Unidos, onde trabalham 29,5 mil assalariados, esse corte de pessoal fará 3,4 mil ‘vítimas’ – a maioria já em 1º de maio.

 

A diminuição no salário dos executivos será, em média, de 10%, enquanto vários outros funcionários terão seus vencimentos reduzidos entre 2% e 7%. A medida é temporária e vale até o fim de 2009.

 

“Essa decisão difícil é necessária para adequar a produção à grande queda nas vendas de veículos no mundo inteiro e para torna a GM viável a longo prazo”, informou a montadora em comunicado.

 

 

A General Motors não especificou a distribuição geográfica dos postos que serão eliminados no restante do mundo. "Outros países estão atualmente revisando o salário e benefícios dos empregados assalariados", acrescentou a General Motors.

 

 

Demissões em massa

Na segunda-feira (9) foi a vez da fabricante de automóveis japonesa Nissan anunciar a redução de 8,5% seu quadro de funcionários até 2010, demitindo 20 mil pessoas. Segundo um comunicado, com essa atitude, a empresa passaria a ter 215 mil empregados em todo o mundo.

 

 

A Nissan também irá reduzir sua produção mundial em 787 mil unidades até o final de março.
 

G1

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Contemplados do Aluízio Campos vistoriam imóveis nesta terça-feira em CG

As pessoas contempladas com casas e apartamentos no complexo habitacional Aluízio Campos, em Campina Grande, começarão a conhecer os imóveis sorteados a partir desta terça-feira (17). De acordo com o cronograma elaborado…