Por pbagora.com.br
Foto: IDEME

No último mês houve aumento do preço dos alimentos no supermercado como: arroz, feijão, óleo, carne, entre outros como combustíveis. Para esclarecer sobre o assunto, foi procurado o economista e planejador financeiro Rafael Bernardino onde detalhou que, depois do peso dos alimentos, o impacto no orçamento familiar segue com o gás de cozinha e depois o combustível.

Pesquisa divulgada em dezembro pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostrou o valor da cesta básica em João Pessoa no mês de dezembro em R$ 475,19. “Se pensarmos na classe trabalhadora mais humilde, que é a maioria da população, depois dos alimentos, o preço do gás de cozinha é bastante significativo. Em terceiro lugar, está o combustível. Vivemos épocas em que sobrava R$ 1,00 ou alguns centavos e as pessoas deixavam para lá. Agora não, o que sobrar tem de ser guardado, porque tudo tem valor”, comentou o economista.

Dicas – Para Rafael Bernardino pesquisar é a alternativa, destacando ainda que para evitar gastos desnecessários vale a dica da velha e boa pesquisa. No caso dos alimentos, produtos da safra comprado na feira livre, muitas vezes saem mais em conta do que em alguns supermercados. Por outro lado, é válido ficar atento às promoções divulgadas por algumas redes supermercadistas. De acordo com Bernardino, não se deve comprar alimentos no cartão de crédito que gera endividamento por causa dos juros. “As parcelas do cartão de crédito não devem passar dos 30% da renda do trabalhador, porque um dos grandes problemas da classe baixa e média baixa é o endividamento”, finalizou.

 

Redação