Por pbagora.com.br

Os brasileiros nunca deveram tanto no cartão de crédito. Dados do Banco Central (BC) mostram que o uso do crédito rotativo, parcelamento com juros e saque somou R$ 14,56 bilhões em julho, um recorde. As dívidas acumuladas também bateram recorde: R$ 26,49 bilhões é o saldo acumulado no dia 31 de julho, segundo dados mais recentes do BC.

 

Apesar de o juro do dinheiro de plástico – atualmente em 237,9% ao ano – ser mais alto até que o do cheque especial, a participação dessa modalidade nos empréstimos só cresce.

 

Proporção

Hoje, a cada R$ 4 tomados emprestados pelas pessoas físicas, R$ 1 é no cartão. A inadimplência nas operações com cartões também é maior que nas outras operações de crédito. Segundo os dados do BC, em julho 28,3% das transações tinham atraso superior a 90 dias.

 

Especialistas afirmam que o aumento do consumo e o já elevado nível de endividamento nos financiamentos mais baratos explicam a busca pelo caro empréstimo do cartão.

 

Entre os principais empréstimos oferecidos às pessoas físicas, a linha mais cara é, curiosamente, a que ganhou mais clientes em julho. Enquanto o volume de novas operações no crédito pessoal cedeu 0,16% e o cheque especial caiu 1,02%, as novas concessões nos cartões saltaram 15,4% em julho ante junho.

 

 

G1

Notícias relacionadas

Paraíba oferece 176 vagas de emprego em três concursos

A Paraíba inicia a semana ofertando um total de 176 vagas de emprego em três editais de concursos e seleções publicados no Estado. As inscrições iniciadas no último dia 9…

“Os números não param de crescer”, dizem especialistas sobre pequenas empresas na PB

Desde o ano passado, na Paraíba, vem havendo um crescimento recorde de microempreendedores individuais. Isso se deve as demissões em massa e ao atual momento da economia brasileira. Quem analisa…