A crise atingiu o varejo brasileiro e impediu que as vendas do comércio registrassem volume recorde em 2008, segundo avaliação do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). De janeiro a setembro, antes do agravamento do quadro econômico mundial, a taxa de crescimento do volume de vendas no comércio era de 10,4% frente a igual período no ano anterior.

 

A tendência, segundo o responsável pela PMC (Pesquisa Mensal de Comércio), Reinaldo Pereira, era que o incremento das vendas ficasse acima dos 10%, superando os 9,7% observados em 2007, recorde da série iniciada em 2001.

 

"A desaceleração no último trimestre mostra o reflexo da crise no varejo. O resultado ficou abaixo de 2007 por conta do resultado de outubro a dezembro", afirmou.

 

As vendas do comércio registraram alta de 9,1% ao longo de 2008. No último trimestre, houve queda acumulada de 2,3% ante o terceiro. Na comparação com igual trimestre do ano anterior, a expansão foi de 6%. Nessa relação, foi o pior quarto trimestre desde 2005.

 

O resultado de dezembro indica queda de 0,3% frente a novembro. Na comparação com igual mês no ano anterior, as vendas no varejo cresceram 3,9%, pior resultado para o último mês do ano desde 2003, quando a alta não havia passado de 3,2%.

 

Reinaldo Pereira lembrou que setores ligados à concessão de crédito têm apresentado maiores reflexos nas vendas. Caso, por exemplo, do segmento de móveis e eletrodomésticos, que teve queda de 3,7% em dezembro, frente ao mês anterior.

 

Se forem avaliadas as vendas por trimestre, na comparação com igual período no ano anterior, constata-se uma mudança no patamar de vendas do setor. De janeiro a setembro, o volume comercializado de móveis e eletrodomésticos vinha apresentando alta superior a 17%. No quatro trimestre, o crescimento não passou de 7,7% na relação com os últimos três meses de 2007.

 

"Os setores mais sensíveis ao crédito vêm sendo mais afetados. Existe também o fator da confiança do consumidor, que diante da crise e do anúncio de demissões, pode estar se precavendo mais e evitando se endividar", explicou Pereira.

 

No comércio varejista ampliado, que engloba as vendas de veículos e motos e materiais de construção, o IBGE verificou recuperação nas vendas de veículos, motos e peças, com alta de 3,5% frente a novembro, depois de duas quedas consecutivas.

 

Folha Online

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Concurso públicos oferecem mais de 416 vagas de emprego na Paraíba

Pelo menos 416 vagas são oferecidas em seis editais de concursos e seleções publicados na Paraíba, nesta semana de 26 de janeiro a 2 de fevereiro. Seleção da Prefeitura de…