A Paraíba o tempo todo  |

Confira como é o novo modelo de trabalho das empresas de tecnologia

Muitas pessoas, ficam na dúvida de como ficará o processo de gerenciamento de pessoas nas empresas de tecnologia, no pós-pandemia, já que há maioria das empresas tinha instalado o sistema de home-office aos seus colaboradores, as grandes plataformas de tecnologia foram as primeiras a adotarem o sistema remoto de trabalho, justamente pela vantagem de já terem, na essência de sua atividade, o meio digital. Na Paraíba, não foi diferente.

Esta semana, quando dois anos depois, o governo da Paraíba editou decreto liberando o uso de máscaras, os escritórios dessas empresas – bem como de boa parte de outras tantas – não foram mais os mesmos.

As transformações na forma como os funcionários vêm desempenhando suas funções e as novas rotinas que o home office acabou trazendo para a vida das pessoas fez com que as empresas repensassem não apenas o que esperam de suas equipes mas o próprio espaço oferecido nas sedes de trabalho.

Nesses primeiros momentos, em muitos desses escritórios de trabalho, a presença dos funcionários é voluntária e limitada há alguns dias da semana. E aquela rotina anterior, de jornadas presenciais de segunda à sexta-feira, dificilmente retornará.

A Vsoft, empresa de tecnologia líder em identificação de pessoas e processos com sede em João Pessoa e São Paulo já vinha abrindo as portas desde o ano passado. Nesse período, só precisavam trabalhar presencialmente os funcionários que se sentiam confortáveis com a antiga rotina presencial.

“Entendemos que a decisão de onde as pessoas trabalham e se elas se sentem confortáveis para se deslocar deve ser delas”, diz Daniel Targino, Co-Presidente da empresa.

Ele afirma que a forma encontrada nesse período de adaptação foi oferecer conforto e segurança, entendendo que com o retorno das atividades presenciais o trabalho híbrido tente a permanecer.

Com colaboradores em várias partes do Brasil, a Vsoft montou um plano de contingência para atender às demandas dos funcionários nesse novo momento.

Renato Rodrigues, presidente da SoftCom, conta que se adaptou fácil ao trabalho home office, pois a empresa já havia simulado cenários de trabalho híbrido muito antes da pandemia da Covid-19 chegar, com colaboradores atuando em home office.

Renato Rodrigues, CEO da Softcom, empresa paraibana referência no país em no segmento em que atua.
“Isso fez com que nossa a nossa adequação fosse muito rápida, nós já tínhamos tecnologia para atuação em home, nós já tínhamos processos bem definidos e indicadores que também facilitaram e, claro, uma equipe bem treinada. Então esses elementos nos deram uma adequação muito rápida a esse novo modelo de trabalho”, concluiu.

Sobre o futuro
Presidentes de empresas ouvidas nesta reportagem, projetam que as relações de trabalho mudarão nos próximos anos e passarão por uma fase de transformação significativa. Eles acreditam que a tendência para o futuro seja a manutenção do trabalho híbrido e, em alguns casos, até mesmo a adoção total do trabalho remoto.

Daniel Targino acredita que uma jornada mais digital e automatizada pode se consolidar. “Vamos ter que construir juntos esse novo modelo. O escritório vai ser cada vez mais um espaço de encontro para grande parte dos colaboradores. Não importa o modelo que seja adotado, o importante é termos ferramentas para conectar as pessoas e permitir que o trabalho possa fluir.

Da Redação com F5

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      9
      Compartilhe