Por pbagora.com.br

O Brasil entrou na crise depois [que o resto do mundo] e tem todas as chances de sair dela mais rapidamente", afirma o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao jornal britânico Financial Times (FT), em reportagem publicada com destaque na edição desta segunda-feira (9).

O jornal diz que o presidente se mostra confiante diante da turbulência, descreve 2008 como um "ano excelente" e permanece otimista sobre 2009. Conforme o FT, a mensagem está sendo bem recebida pela maior parte da população brasileira, tendo em vista o índice recorde de aprovação de Lula, de 84%, "certamente o presidente mais popular do Brasil desde que a pesquisa começou".

O jornal britânico afirma que a maioria dos brasileiros passou a viver em condições melhores durante o seu governo, já que o emprego e a renda vêm subindo, pelo menos até a crise começar a afetar o Brasil no fim do ano passado. Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) de 2008, a serem divulgados amanhã, devem mostrar crescimento de mais de 5%.

No entanto, os economistas se preocupam quanto à efetiva resistência do Brasil em meio à crise, alarmados pela piora rápida dos indicadores nacionais. A produção industrial, por exemplo, despencou 17,2% em janeiro na comparação anual.

 

"O dado é especialmente chocante porque a produção de veículos – um décimo da produção industrial – se recuperou em 41% em relação a dezembro", diz o FT.

O consenso aponta para alta de 1,5% no PIB deste ano, mas há instituições que já trabalham com números bem inferiores – como o Unibanco, que prevê apenas 0,3%, dado que ainda pode ser reduzido.

"O Brasil é muito mais sensível do que as pessoas percebem", afirma o economista-chefe do Morgan Stanley em São Paulo, Marcelo Carvalho, ao jornal. Para ele, a retração no País será mais forte do que a população está preparada para enfrentar.

Mas Lula argumenta, e poucos discordam, que o Brasil está melhor posicionado para enfrentar a crise do que há uma década, aponta a publicação britânica. O jornal cita o acúmulo de reservas internacionais, que superam US$ 200 bilhões, e o fato de as exportações representarem apenas 14% do PIB.

"Nossa maior preocupação é de que não deve haver reversão das nossas conquistas com emprego e renda para dúzias de milhões de brasileiros pobres", afirma Lula. Para o FT, a massa popular que conseguiu melhora nas condições de vidas nos últimos seis anos deve ter a esperança de que o presidente esteja certo.

 

G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Duas apostas da PB acertam cinco números da Mega Sena e levam quase R$ 29 mil/cada

Uma aposta feita na loteria Escrete de Ouro, que fica no bairro de Mandacaru, em João Pessoa e outra, em Campina Grande realizada na Loto Mania, no Centro da cidade…

Concursos oferecem pelo menos 641 vagas de empregos na Paraíba

Oportunidade de emprego. Pelo menos 641 vagas são oferecidas em oito editais de concursos e seleções publicados na Paraíba, nesta semana de 27 de setembro a 4 de outubro. A…