Por pbagora.com.br

A Brasil Ecodiesel deve apresentar ao mercado um plano de reestruturação estratégica em cerca de 120 dias. A afirmação foi feita pelo novo diretor-presidente da empresa, Mauro Cerchiari, que está há pouco mais de um mês no cargo. Endividada e sem capital de giro para produzir o biodiesel vendido em leilões para a Petrobras até o início do ano, a Brasil Ecodiesel recebeu uma nova injeção de capital que a permitiu voltar a operar e reduzir de forma substancial sua dívida.

 

Criada em 2003 pelo empresário Daniel Birman, com a estratégia de produzir biodiesel usando matérias-primas regionais e alternativas – como a mamona, produzida pela agricultura familiar e incentivada pelo próprio governo federal -, os investimentos regionalizados logo se transformaram em um pesadelo administrativo. Com prejuízos consecutivos, a Brasil Ecodiesel concentrou sua produção na soja, reduziu a operação de suas unidades nordestinas e menos competitivas e foi atrás de nova capitalização.

 

"Nossos principais credores formaram um fundo, o Neo Biodiesel, e trocaram a dívida por ações, transformando-se em nosso principal acionista", diz Cerchiari. Segundo ele, a nova Brasil Ecodiesel não quer conquistar market share a qualquer custo. "Queremos ser a empresa mais eficiente."

Estadão

Notícias relacionadas

Inovar é a ‘saída’ para pequenos negócios diante da crise fruto da pandemia

Toda crise, como a que o país vive agora com a pandemia do coronavírus, representa uma ameaça, mas pode ser também uma oportunidade de fazer diferente e descobrir novos caminhos,…

Senac abre mais de 2 mil vagas para cursos, workshops, palestras e oficinas na Paraíba

O Serviço Nacional do Comércio (Senac), está com inscrições abertas para mais de 2 mil vagas para cursos, workshops, palestras e oficinas na Paraíba. No total, são 2.059 vagas disponíveis…