A reestruturação e a valorização da Orquestra Sinfônica da Paraíba, que já foi considerada uma das melhores do Brasil, com o aproveitamento dos talentos disponíveis que estão indo para outras regiões. Esta é uma das principais metas anunciadas pela vice-presidente da Fundação Espaço Cultural José Lins do Rego (Funesc), cantora lírica Ana Gouveia, que está respondendo interinamente pela presidência do órgão.

“A nossa intenção é de fazer com que ela volte a ser respeitada e destacada como foi durante um longo tempo, como uma das melhores orquestras sinfônicas do país. Essa reestruturação do quadro da orquestra tem que ser refeita com muito cuidado, porque, quando ela foi realizada, não se incluiu ai o Coral Sinfônico, que é muito importante”, comentou.

Sobre o Coral Sinfônico, Ana Gouveia informou que foi feita a convocação para quem desejar fazer as inscrições para testes. “Por sinal, nós estamos realizando esse teste no momento e as pessoas interessadas devem se dirigir ao auditório Augusto dos Anjos, no Espaço Cultural, de segunda-feira a quarta-feira, no turno da noite”, informou.

Segundo ela, outra meta é a ampliação das atividades da Biblioteca Juarez Batista, fazendo funcionar na sua plenitude em melhor ambiente. O arquiteto Expedido Arruda elaborou projeto arquitetônico para a reforma. “Essa também será uma das prioridades para este ano”, disse. Informou que pediu à Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado (Suplan) para uma vistoria nas suas instalações. A realização do Festival Nacional de Artes (Fenart) é outra prioridade.

“Todo o setor de música, tudo que diz respeito a arte nesse espaço que trabalhamos, quero me doar, quero me inteirar e aproveitar essa oportunidade para desenvolver esse lado da música”, garantiu.

Ana Gouveia nasceu na cidade de Campina Grande, cantora lírica, vem se destacando pelo seu trabalho em favor da valorização do músico.

SECOM

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Conto de sábado: “A morte e a morte dos esquecidos pelo mundo”

Eu nasci no Níger, um dos países mais pobres da África. Tenho medo de falar meu nome e descobrir quem realmente sou, por isso omiti minha identidade até esquecê-la. Posso…