Por pbagora.com.br

Sob forte clima de emoção e em meio a homenagens de amigos e admiradores, o corpo do músico paraibano Pinto do Acordeon foi sepultado no começo da noite desta quarta-feira (22), em Patos, no Sertão da Paraíba. O artista morreu na madrugada da terça (21), aos 72 anos, vítima de um câncer.

Antes de ser enterrado, o corpo do artista foi levado ao Terreiro do Forró, local em que são realizados os festejos de São João da cidade. No local, familiares discursaram e cantaram em homenagem ao músico.

Após as homenagens no Terreiro do Forró, o corpo de Pinto saiu em um cortejo fúnebre, em veículo aberto do Corpo de Bombeiros, pelas ruas de Patos. Depois, foi levado para o cemitério Memorial Jardim da Paz, onde foi sepultado.

O velório de Pinto do Acordon foi realizado em João Pessoa na noite da terça e durante a madrugada e manhã desta quarta. Uma cadela de estimação viajou mais de 300 quilômetros para se despedir do tutor.
O corpo de Pinto do Acordeon chegou em João Pessoa, capital paraibana, por volta das 22h desta terça e foi levado para ser velado no Cemitério Parque das Acácias, na rua Luiz de Lima Freire, 200, no bairro José Américo.

Às 9h da quarta (22), o corpo saiu do cemitério Parque das Acácias em um cortejo com carro aberto, com destino à cidade de Patos. Uma parada ,aconteceu em Santa Luzia, município também localizado no Sertão paraibano. Tanto no velório como no sepultamento foi realizado seguindo todas as recomendações de autoridades em saúde, para evitar a propagação da Covid-19,

O corpo do músico chegou em Patos no final da tarde , também em cortejo com veículo aberto, que seguiu até o Cemitério Jardim da Paz, localizado na altura do quilômetro 328, da BR-230, na Vila Mariana.
Francisco Ferreira Lima, o Pinto do Acordeon, nasceu no município de Conceição, no Sertão paraibano. Ele se tornou popular a partir de apresentações que realizava junto a trupe de Luiz Gonzaga. Ele gravou cerca de 20 álbuns durante a carreira. “Neném Mulher” é uma das músicas mais conhecidas do repertório.

Redação

Deixe seu Comentário