Se Frost/Nixon faz uma profunda meditação sobre a personalidade de Richard Nixon valendo-se de cenas fictícias, Che, que também entra em cartaz neste mês, realiza o caminho oposto. Poucas reconstituições históricas são tão fiéis — fiéis, no caso, aos diários de Che Guevara, em que o filme se baseia. O personagem que emerge, no entanto, não é entusiasmante, complexo, nem mesmo provocativo. Che, o filme, é antes de tudo a materialização do sonho de um ator, o porto-riquenho Benicio del Toro. Se existem filmes de diretor e filmes de roteirista, como do já citado Frost/Nixon, Che é basicamente um filme de ator. Mas — infelizmente — é só isso.

 

Che Guevara esteve nos cinemas recentemente, quando o brasileiro Walter Salles o retratou em sua lendária viagem pela América Latina, em Diários de Motocicleta. Mas o Che que entrou para a história, com a basta cabeleira, o uniforme de guerrilheiro e a indefectível boina, só agora ganhou as telas. E a reconstituição de Del Toro é realmente impressionante. Em seu trabalho, ele contou com a colaboração do jornalista americano John Lee Anderson, autor de uma das biografias mais respeitadas de Che. Depois das leituras sobre o personagem, o ator visitou Cuba e conversou com companheiros do guerrilheiro, que lhe contaram sobre o jeito de se comportar e falar do “comandante”, incluindo os trejeitos físicos. O ator também foi à Bolívia, onde falou com camponeses nos povoados por onde o guerrilheiro passava. Todo esse trabalho resultou numa atuação antológica. Del Toro se transformou em Che de tal maneira que é difícil até distinguir, nas fotos de divulgação do filme, quem é um e quem é outro (faça um exercício: tape a legenda com a mão e tente reconhecer quem é quem nos retratos acima).

 

Infelizmente, essa é a única virtude do filme. O que se vê na tela é um Che despido de sua complexidade. Isso ocorre, entre outras razões, pela escolha dos períodos retratados. A saga dirigida por Steven Soderbergh — diretor convidado por Del Toro — se divide em duas partes. A primeira, Che, mostra Guevara comandando a guerrilha vitoriosa que derrubou o ditador cubano Fulgencio Batista. É um épico — em que Che emerge como o líder de um dos grandes momentos da história do século 20. Na segunda parte, Che — A Guerrilha, que estreia daqui a dois meses, o argentino aparece como mártir de uma experiência fracassada — a tentativa quixotesca de criar um movimento guerrilheiro na Bolívia.

 

Soderbergh e Del Toro omitiram, no entanto, o período do meio, em que Che participa do governo cubano que se estabeleceu sob Fidel Castro, como presidente do Banco Nacional de Cuba e ministro da Indústria. Nessa época, Che assumiu a coordenação dos fuzilamentos dos inimigos do regime. Teve também atuação polêmica no caso da instalação de mísseis nucleares soviéticos em Cuba, apontados para o território americano. A ameaça de uma guerra nuclear nunca ficou tão próxima do mundo. Fidel e os russos concordaram em retirar os mísseis, mas Che os queria lá, mesmo que a guerra estourasse.

 

Fascinado por seu personagem, Del Toro assumidamente quis fazer de Che uma espécie de super-herói. Em entrevistas, ele comparou o guerrilheiro ao Super-Homem e ao Batman, um homem fora do comum que lutava contra a injustiça. Coincidência ou não, nos créditos finais do filme aparecem como apoiadores da produção o ICAIC (Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográficas — órgão oficial do governo castrista) e o governo boliviano do bolivariano Evo Morales. Se tivesse se aprofundado na complexidade de Guevara, com seus erros e contradições, Che e Che — A Guerrilha poderiam ser um triunfo cinematográfico. Tal como foi feita, a saga fica na superfície e parece uma peça de propaganda.

 


O Filme

Che, de Steven Soderbergh. Com Benicio del Toro. Estreia prevista para este mês.

 

globo.com

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Zé Ramalho faz confidências de sua vida e revela como parou o vício

Um dos ícones da música brasileira, o paraibano de Brejo do Cruz Zé Ramalho, confidenciou detalhes de sua vida que alguns fãs não conheciam no programa Conversa com Bial.Há 40…

Dez mil brasileiros participam da canonização da Irmã Dulce no Vaticano

Cerca de 50 mil pessoas acompanharam o rito de canonização da brasileira Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, a irmã Dulce, e de outros quatro beatos, realizado na manhã…