Por pbagora.com.br

Não faz mais de cinquenta anos que apareceu em João Pessoa um grupo de 14 jovens preocupados em mudar o rumo da arte local. Na época, eles lançaram um livro que ficou chamado de Geração 59, que posteriormente deu nome a todo o movimento. Passados cerca de 50 anos, a Academia Paraibana de Letras vai comemorar o meio-século de vida daqueles vanguardistas, com a publicação de uma edição alusiva da antologia poética do grupo, nesta quinta-feira (28), às 17h30, na sede da Academia, no Centro Histórico de João Pessoa.

Aquele movimento cultural rapidamente ganhou a adesão da juventude da época, que se reuniam no antigo Clube da Poesia e ficavam horas discutindo e experimentando novas formas de fazer arte. Logo, o Geração 59 teve a adesão de diversos setores artistícos, como pintores, teatrólogos e cineastas, rompendo as barreiras da literatura pura.

O líder daquele movimento, uma espécie de mentor intelectual da revolução artística, era o poeta e também filosofo, Valdino Brito. Bastante excêntrico, suas ações repercutiam socialmente e alguns escândalos são atribuídos a sua imagem. No entanto, aquilo era só visto como um reflexo da nova arte, que como em todo começo, chocou a sociedade conservadora e convencional, mas que anos depois viria à ser lembrado como mártir.

O suplemento literário do jornal “A União”, o “Correio das Artes”, também intitulado “A União nas Letras e nas Artes” ao tempo em que Vanildo Brito o dirigiu, era o principal veículo de divulgação da turma, publicando poemas e contos, ilustrados por Raul Córdula, Hermano José, Ivan Freitas e Elcir Dias.

O destino dos integrantes da “geração” foi diversificado. Alguns permaneceram fiéis à poesia, outros derivaram para a pintura, o cinema, o ensaio, outros ainda cederam ao apelo do engajamento político, em época de transformações e esperanças. Quase metade já não está entre nós. Mas a semente lançada germinou, outras “gerações” se sucederam, até chegarmos ao nível de hoje, em que a Paraíba ocupa honroso lugar entre outros centros artístico-literários do país.

Homenageando aquele grupo, a editora ‘Linha d’Água” reeditou a antologia poética, atualizando apenas a ortografia e mantendo tudo o mais como veio ao mundo. O lançamento da publicação conta com o apoio da Academia Paraibana de Letras e do Centro Cultural Zarinha. Durante o evento haverá o lançamento da primeira edição de 2009 da revista do Unipê, coordenada pelo Reitor José Loureiro Lopes, e cujo exemplar é dedicado às ciências econômicas e sociais
 

 

 

 

Secom/PB

Deixe seu Comentário