“A Noite dos Palhaços Mudos”, adaptação de história em quadrinho do cartunista Laerte, recebeu prêmio duplo de Melhor Ator no 21º Prêmio Shell de Teatro de São Paulo, entregue na noite desta terça-feira (17) na capital paulista. Recordista de indicações, “A Alma Boa de Setsuan” ganhou prêmio de Melhor Diretor.
 

O prêmio de Melhor Ator foi recebido pelo diretor de “A Noite dos Palhaços Mudos”, Alvaro Assad, pois os atores Domingos Montagner e Fernando Sampaio, os vencedores, não compareceram a cerimônia de entrega.

“A Noite dos Palhaços Mudos” é uma peça da Cia. La Mínima que conta a história de dois palhaços mudos que, para resgatar o nariz de um palhaço mutilado, invadem uma organização secreta que prega o extermínio da classe.

O prêmio de Melhor Diretor foi para Marco Antônio Braz, por “A Alma Boa de Setsuan”. A peça, criação do dramaturgo Bertolt Brecht (1898-1956) com atuação de Denise Fraga, concorreu em cinco categorias: Direção (Marco Antônio Braz), Atriz (Denise Fraga), Cenário, Figurino e Iluminação.

Isabel Teixeira recebeu o prêmio de Melhor Atriz por “Rainha[(s)] – Duas Atrizes em Busca de um Coração”, peça que adapta texto de Friedrich Schiller, dramaturgo alemão, tendo como pano de fundo a disputa de poder na Inglaterra do século 16. “Rainha [(s)]” integra a programação da Mostra Contemporânea do Festival de Teatro de Curitiba, que tem início nesta terça-feira (17).

 

O prêmio de Melhor Autor foi para Marçal Aquino e Marília Toledo, por “Amor de Servidão”, peça baseada no romance de Aquino “Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios”.

Cada vencedor recebe R$ 8 mil e um troféu do escultor Domenico Calabroni.

Criado em 1988, o Prêmio Shell teve como júri nesta edição Kil Abreu (jornalista e pesquisador do teatro), Valmir Santos (jornalista), Marici Salomão (autora teatral e jornalista), Mario Bolognesi (professor e pesquisador de teatro) e Noemi Marinho (atriz, dramaturga e Diretora).

uol

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Conto de sábado: “A morte e a morte dos esquecidos pelo mundo”

Eu nasci no Níger, um dos países mais pobres da África. Tenho medo de falar meu nome e descobrir quem realmente sou, por isso omiti minha identidade até esquecê-la. Posso…