Na Paraíba, o deputado federal petista Luiz Couto, que também é padre, foi suspenso das funções de sacerdote. Ele é contra a discriminação de homossexuais e defende o uso de preservativos.
 

A polêmica começou depois que as declarações do padre e deputado federal do PT, Luiz Couto, foram parar em um jornal do estado. O religioso defende o uso de preservativos, é contra o celibato dos padres e contra a discriminação de homossexuais.

O arcebispo da Paraíba, dom Aldo Pagotto, não gostou da entrevista e suspendeu as funções do padre, que está proibido de celebrar missa, batizados e casamentos.

“Lamentavelmente, declarações sumárias e ambíguas a respeito do uso de preservativos, união de homossexuais são posições diametralmente contrárias à orientação oficial do Vaticano. Isso é intolerável”, disse o arcebispo.

O padre e parlamentar afirma que falou como político e não como religioso. E disse que ainda não foi notificado oficialmente sobre a decisão.

“Eu vou continuar celebrando, posso celebrar na minha casa, com meus amigos, ou seja, o direito de celebrar, a ordem que eu recebi tem um caráter indelével, que ninguém pode tirar. Isso não significa nenhum combate aquilo que a Igreja tem na sua doutrina”, afirma o padre e deputado.

A proibição é válida apenas para as 75 paróquias subordinadas ao arcebispo dom Aldo Pagotto. Para celebrar em outras igrejas, Couto poderá pedir permissão antes.

O arcebispo explica: o padre deputado pode voltar a exercer a função de sacerdote, desde que se retrate publicamente.
 

 

 

G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Colisão entre dois trens deixa 47 feridos no Metrô de Recife

Um acidente envolvendo dois trens do Metrô de Recife, na manhã desta terça-feira (18), deixou 47 pessoas feridas. De acordo com a CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos), responsável pelo…