O contingente de desempregados cresceu 20,6% entre dezembro e janeiro -o pior resultado para o mês desde 2003, apontou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A taxa de desemprego subiu de 6,8% para 8,4%. A população desocupada, de 1,55 milhão para 1,89 milhão de pessoas nas seis regiões metropolitanas pesquisadas.

“Foi um mês cruel para o mercado de trabalho”, disse Cimar Azeredo, coordenador da pesquisa do IBGE.

No mês passado, com a crise instalada e em meio às demissões na indústria, a Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE havia informado que o desemprego em dezembro tinha caído de 7,6% para 6,8%.

Mais do que a taxa de desemprego em si -que não chegou a ser a pior para um mês de janeiro- chamou a atenção do IBGE o súbito aumento de pessoas procurando trabalho. “Nem quando estávamos em recessão, em 2003, houve variação tão forte”, disse Azeredo.

Pesaram para a piora no mercado de trabalho as demissões ocorridas na construção civil e no comércio. “No comércio já era esperado, porque depois de dezembro o setor normalmente demite. Chama a atenção o número de demissões na construção civil, em que a queda no contingente de ocupados de 4,7% foi a maior dos últimos sete anos.” Após as demissões de dezembro, a indústria manteve estável seu número de vagas.

Em janeiro, o rendimento médio real cresceu 2,2%, de R$ 1.290,30 para R$ 1.318,70. “É um efeito estatístico. Houve redução no número de empregados, e, entre eles, muitos recebiam baixos salários, porque eram da construção civil e do comércio”, afirmou Júlio Hegedus, economista-chefe da Lopes Filho Consultores. “A inflação menor em janeiro também corrói menos o salário”, disse a analista Ariadne Vitorino, da Tendências Consultoria.

Entre as regiões pesquisadas, São Paulo apresentou o maior crescimento no grupo de desempregados. A variação da taxa de desemprego foi de 32% -passou de 7,1% para 9,4%.

Entre as outras cinco regiões, o crescimento do grupo de desocupados também foi recorde para janeiro em Porto Alegre (19%) e em Belo Horizonte (16%). Nessas cidades, a taxa de desocupação ficou em 5,6% e 6,4%, respectivamente. No Rio, cresceu de 6,2% a 6,6%.

Confirmando o que o Ministério do Trabalho já havia apontado anteontem, a pesquisa do IBGE também mostrou a queda no emprego formal. Entre dezembro e janeiro foram eliminadas 129 mil vagas com carteira assinada, uma queda de 1,3% em relação a dezembro. Dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho, mostraram que foram cortadas 101 mil vagas.

Perspectiva sombria

A situação ainda será difícil para quem procurar emprego nos próximos quatro meses. A expectativa dos analistas é que o mercado de trabalho só melhore no segundo semestre.

“As demissões ainda se refletirão nos setores de comércio e serviços por, pelo menos, mais dois meses”, diz Fábio Romão, da LCA Consultores.
Para Hegedus, da Lopes Filho, “a indústria de eletroeletrônicos ainda pode demitir”.

FOLHA

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Com apoio de paraibanos, Câmara aprova PL que regulamenta vaquejada

O Plenário da Câmara dos Deputados concluiu nesta terça-feira (20) a votação do projeto de lei que regulamenta as práticas da vaquejada, do rodeio e do laço no Brasil (PL 8240/17).…

Noiva de Gabriel Diniz diz que joias do cantor foram roubadas

Em um desabado publicado no YouTube, Karoline Calheiros, noiva de Gabriel Diniz, respondeu perguntas relacionadas ao cantor, morto após um acidente de helicóptero em maio. Uma das revelações que mais chamou…