O Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho está em luta para evitar que o primeiro peixe-boi reintroduzido na natureza, em 1994, seja afetado pelas manchas de óleo que atingem o litoral do Nordeste. Até um plano para retirar Astro do seu habitat está pronto caso a situação se agrave.

O monitoramento diário é feito pelo projeto da Fundação Mamíferos Aquáticos. Astro tem um chip implantado e sua história é considerada importante nos esforços de conservação do peixe-boi marinho. O mamífero vive entre os litorais de Sergipe e Bahia, área que está entre as mais afetadas pelo vazamento.

O mamífero já lutava para sobreviver em meio aos atropelamentos de embarcações, às interações com turistas e, agora, enfrenta o óleo que afeta as praias nordestinas.

Desde o início do surgimento das manchas, especialistas mudaram a rotina para manter Astro longe do óleo. Para isso, o animal está sendo monitorado através de um equipamento de radiotelemetria, que faz o mapeamento da área de uso e facilita as buscas pelo animal.

O técnico ambiental do projeto Viva o Peixe-Boi, Allan Barreto, conta que, com a chegada das manchas, os esforços se intensificaram no intuito de preservar a vida do animal.
“Com o monitoramento acompanhamos o cenário e tudo o que está ocorrendo. Nós observamos se existe óleo no animal, nas áreas de alimentação e na região onde ele bebe água. Em campo também temos uma equipe que faz esse monitoramento.”

Allan explicou que o equipamento que fica acoplado no mamífero também é monitorado. “O equipamento fica mais tempo flutuando. Por isso aumenta a chance de ter contato com a substância (tóxica)”, comentou.

Astro está em risco?
O pesquisador João Carlos Gomes contou à BBC News Brasil que a aderência do óleo em regiões como boca, narinas e nas cavidades causa obstruções, e os animais morrem por não conseguirem respirar ou comer.

“Esse seria o risco mais imediato. Fora isso, a ingestão do material causa obstrução gastroentérica que pode inviabilizar o trânsito intestinal. (…) E não sabemos que tipo de alergias podem ser causadas com a interação do óleo”, diz Gomes.

O coordenador do projeto explica que Astro não foi atingido pelas manchas, mas o equipamento que está acoplado nele, sim. “Nos primeiros indícios das grandes manchas em Sergipe, nós identificamos óleo na antena do rádio transmissor, mas felizmente não teve impacto no animal.”

Os resíduos chegaram também à área de alimentação do animal. Por causa disso, já há um plano para deslocar Astro caso a situação se agrave.

“Uma equipe de brigadistas do ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) foi até o local para fazer a limpeza porque identificamos a presença (de óleo) nas áreas de alimentação dele, de alguma maneira isso traz um risco na ocasião que ele estivesse se alimentando, mas a limpeza já está sendo feita. A Petrobras também contratou uma equipe para somar esforços e fazer a descontaminação da área. Mas não há presença de óleo no animal”, enfatizou o coordenador.

Até o momento, segundo o técnico ambiental do projeto, não há necessidade de fazer a mudança de Astro agora, mas caso seja necessário, o mamífero já tem novo lugar, “uma piscina que fica às margens do rio Real, também na divisa entre Sergipe e Bahia”, disse Allan Barreto.

O ICMBIO informou que brigadistas também estão trabalhando na limpeza da área de alimentação de Astro.

G1

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Médico de Gugu está a caminho dos EUA para atender apresentador

Gugu Liberato segue internado no hospital Orlando Health, nos Estados Unidos, após sofrer um acidente em casa na última quarta-feira (20). Segundo informações da assessoria de imprensa do apresentador, divulgadas…

Colunistas anunciam morte cerebral de Gugu; assessoria desmente

Matéria atualizada com o comunicado oficial divulgado pela assessoria de Gugu que desmente as notícias sobre sua morte. O colunista político Reinaldo Azevedo anunciou, no início da noite desta quinta-feira…