Ainda repercute a gravação da reunião ministerial, ocorrida no dia 22 de abril, entre o presidente Jair Bolsonaro e seus auxiliares, que causaram polêmica por conta das declarações contidas nas imagens.

Para o secretário-geral do Ministério Público da União, paraibano Eitel Santiago, as gravações da reunião ministerial não dão qualquer indício de que o presidente tenta interferir em operações da Polícia Federal.

“Vi o vídeo e nele não aparece qualquer indício de interferência do Presidente em alguma investigação que esteja em curso. Sobre o tema, o vídeo é um risco na água”, disse.

O paraibano também se mostrou divergente ao pronunciamento do ex-procurador-geral da República, Cláudio Fonteles, que declarou ter visto provas da interferência do presidente.

“Penso de forma diferente. Na minha opinião, a fala de Fonteles é fruto de lamentável facciosismo político. Notório simpatizante do PT, quando era PGR, Fonteles deixou que a paixão política contaminasse a própria atuação dele na chefia do MPF. Por isso, ele impediu uma investigação logo no início do Governo Lula”, declarou.

Eitel ainda repeliu a hipótese de recolhimento do celular de Bolsonaro e comparou com outro momento em que Fachin havia negado o pedido da quebra de sigilo telefônico do ex-presidente Michel Temer.

“O ministro Edson Fachin negou, no passado, o pedido da Polícia Federal para quebrar o sigilo telefônico do presidente Michel Temer, em inquérito instaurado contra ele” concluiu.

As informações foram dadas à CNN Brasil.

PB Agora

Deixe seu Comentário