Por pbagora.com.br

Movimentos e partidos de oposição ao governo Jair Bolsonaro decidiram na tarde desta quinta-feira, 27, convocar manifestações por todo o País em defesa da democracia e contra manifestações autoritárias do presidente. O tema será “Ditadura Nunca Mais” e a ideia é concentrar as mobilizações no dia 18 de março.

O calendário e o mote foram decididos em reuniões entre as nove centrais sindicais e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, que reúnem centenas de movimentos sociais, ao longo do dia.

Os grupos vão apoiar e levar o tema da defesa da democracia às manifestações pré-agendadas dos dias 8 (Dia Internacional da Mulher) e 14 (aniversário do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes), mas o foco será no dia 18, para quando já estavam previstos atos em defesa da educação e dos serviços públicos.

Segundo Guilherme Boulos, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo, a ideia é juntar as duas pautas.

“O mote vai ser ‘Ditadura Nunca Mais’ porque está cada vez mais claro que o Bolsonaro tem uma sanha de ditador. Ele quer construir um caminho autoritário para o Brasil. Não aceita oposição, não aceita contraponto, não aceita imprensa”, disse Boulos.

O pedido de impeachment e a bandeira “fora Bolsonaro”, sugeridos por algumas lideranças, foram rejeitados pelas entidades que entendem não haver, ao menos por enquanto, clima político para defender o afastamento do presidente.
“Que tem motivos, tem. O Bolsonaro tem dado motivos todos os dias mas a natureza do impeachment é política, tanto que quem julga é o Congresso e não o Judiciário. Não podemos ser irresponsáveis”, disse o secretário de Comunicação do PT, Jilmar Tatto.

De acordo com Tatto, o monitoramento das redes sociais feito pelo PT mostrou um arrefecimento no ânimo dos partidários de Bolsonaro da quarta para quinta-feira.
“Parece que este ato deles não vai ser tudo isso que estão falando”, disse. Segundo ele, ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que o PT vá para as ruas em reunião com dirigentes na quarta-feira, 26. “Temos que ir para a rua conversar com o povo”, disse Lula. Para o ex-presidente, o PT deve se concentrar em discutir os problemas da “vida real” das pessoas como a precarização dos empregos e a perda de direitos sociais.

De acordo com o presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Iago Montalvão, o fato de o protesto do dia 18 ser contra a política econômica do ministro Paulo Guedes não deve afastar os grupos que defendem a democracia, se opõem às manifestações autoritárias de Bolsonaro mas aceitam a agenda de reformas do governo.

Segundo ele, contrapor os grupos que vão às ruas no dia 15 para se manifestar contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) não significa defender o establishment.

“Nós não vamos às ruas para defender os interesses dos políticos que estão lá no Congresso. Vamos defender os princípios da democracia e tanto o Legislativo quanto o Judiciário independentes são princípios democráticos”, disse ele. A UNE vai para pedir a saída do ministro da Educação, Abrahan Weintraub.

Em outra frente, a oposição aposta na inclusão de entidades representativas da sociedade civil como Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Associação Brasileira de Imprensa (ABI) que devem se reunir com representantes de partidos de esquerda (PT, PDT, PSB, PC do B e PSOL) na terça-feira, 3, em Brasília.

Mais amplo do que as articulações de esquerda, o fórum Direitos Já, que reúne representantes de 16 partidos – vários deles de centro e centro-direita– vai se reunir um dia depois dos atos pró-Bolsonaro para avaliar a situação. Por enquanto o Direitos Já, que tem entre seus incentivadores o governador do Maranhão, Flavio Dino, tem um evento marcado para o dia 30, em São Luís.
“Vamos realizar um diálogo com as entidades da sociedade e partidos para avaliar os próximos passos diante da atitude do presidente de jogar a população contra o Congresso”, disse o coordenador do Direitos Já, o sociólogo Fernando Guimarães.

Terra

Notícias relacionadas

Estudantes que tiveram a isenção da taxa do Enem 2021 negada podem entrar com recurso até sexta (18)

Os resultados dos recursos estão previstos para serem divulgados no próximo dia 25 Candidatos interessados em realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021, que solicitaram a isenção da…