Por pbagora.com.br

Corrupção! Corrupção que mata, destrói sonhos, enfraquece o Estado. A saúde implora piedade, a merenda escolar míngua, verbas públicas são desviadas sem pudor. Corrupção, um calvário que põe Jesus de joelhos, deixando o povo na via dolorosa do esquecimento.

Corrupção que sacode todos nós nas valas coletivas da Covid-19. Dos livros inúteis e superfaturados sobre um vírus invisível que decreta calamidade pública para a festa dos gestores de “má qualidade”. Seres abomináveis que invadem o organismo da coisa pública para dilacerar células, órgãos, vísceras em um gigante corpo na pura putrefação do descaso e da roubalheira.

Corrupção, corrupção faminta que retira o pão da Santa Ceia, deixando apenas migalhas para programas sociais. Corrupção e corruptores. Seres sem alma, ética ou pudor. Doentes, adoecem o Estado. Um lugar que pertence ao povo, como a praça, o céu e o condor.

A dor é parida pela corrupção. Ela aniquila os valores morais no intrincado xadrez da vida. Xeque Mate. As peças não se locomovem. Torres, cavalos, bispos, dama, rei e peões. Todos comprometidos com o ilícito. Zero um, dois, três, quatro. Prendam o louco, pois ele está solto!

Corrupção, um feudo difícil de combater, pois os exércitos das organizações criminosas são bem armados e articulados. Corrupção, mal que assola por séculos Pindorama, hoje Brasil. Corrupção do santo do pau oco.

Em caravelas, singravam nos mares os santos recheados com nosso mais puro ouro. Corrupção patrocinada por civis e militares. Brasil colônia. Brasil império. Brasil República. Não importa. Corrupção, corruptores e corruptíveis sempre estiveram em nossas plagas.

De Norte a Sul. Leste a Oeste, a corrupção caminha a passos largos, como um conde, que busca Drácula para beber o sangue da Pátria que dorme em berço já não esplêndido.

A corrupção está viva em nossa bandeira, mesmo que muitos neguem ela existir. Como no resto do país, estamos de luto, um luto acompanhado pelo vermelho escarlate que ruboriza a face da mãe Justiça, deixando-a ainda mais cega, numa balança desigual e espada pouco afiada.

Corrupção tenha piedade de nós! Uma vacina contra ela, pelo o amor dos Deuses do Olimpo!

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário