Por pbagora.com.br

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, destacou nesta segunda-feira (22) que o pedido de impeachment que será apresentado pela entidade contra o presidente Michel Temer não leva em consideração propriamente a gravação de conversa com o dono da JBS, Joesley Batista, mas principalmente o fato de Temer ter confirmado, em declarações posteriores, o encontro e o diálogo.

“Mesmo que o áudio tivesse alguma edição, as duas declarações públicas de Temer confirmam o teor do diálogo. E isso que é indiscutível. A decisão da OAB levou mais em consideração o fato de o presidente ter escutado tudo que escutou e não ter feito nada em relação a isso, do que propriamente o conteúdo integral”, afirmou o presidente da OAB. Para Lamachia, se Temer sabia que Joesley era um “fanfarrão” e um “delinquente”, não deveria sequer ter recebido Joesley.

Para o presidente da OAB, o presidente teria incorrido em prevaricação, ao não informar às autoridades relatos de Joesley de que teria influência sobre um procurador da República que o investigava.

Lamachia afirmou que a entidade apresentará o pedido de impeachment à Câmara de Deputados ainda nesta semana. “Estamos elaborando a peça, com responsabilidade. Isso tem que ser feito com calma. Asseguro a vocês que ainda no curso dessa semana estaremos protocolando”, disse o presidente da OAB.

 

 

Jornal do Brasil
foto: reprodução TV

Notícias relacionadas

“Tem alguns idiotas que até hoje ficam em casa”, diz Bolsonaro sobre pandemia

O presidente Jair Bolsonaro, em conversa com apoiadores na manhã desta segunda-feira (17), chamou de “idiotas” as pessoas que ficam em casa ao obedecer medidas restritivas para evitar a covid-19.…

Centro Paula Souza oferece cursos gratuitos em diversas áreas

Os conteúdos são dinâmicos, com vídeos, jogos, leituras, reflexões, exercícios e avaliações Com o objetivo de combater o desemprego e criar oportunidades para todos, especialmente aos mais jovens que buscam…