Por pbagora.com.br

A Câmara dos Deputados receberá na próxima terça-feira (25), às 16h, o lançamento da frente parlamentar da redução da maioridade penal. Composto de 203 congressistas, sendo 194 deputados e 9 senadores, o grupo é heterogêneo: a maioria dos membros são de centro ou direita (dos 55 deputados do PSL, 46 integram o conjunto), mas há signatários de 17 partidos, inclusive de siglas da oposição como PDT e PSB, por exemplo, que têm cinco membros cada.

Presidida pelo deputado Carlos Jordy (PSL-RJ), a frente tem na mesa diretora três deputados que são policiais: Cabo Junio Amaral (PSL-MG), Daniel Silveira (PSL-RJ) e Capitão Derrite (PP-SP). Completa a coordenação o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que já apresentou neste ano uma PEC para reduzir a maioridade penal.

A última vez que o Congresso criou uma frente sobre o tema foi em 2013. Na legislatura seguinte, em 2015, a Câmara aprovou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê a fixação da maioridade penal aos 16 anos para crimes hediondos – como estupro e latrocínio – e também para homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.

Este projeto, a PEC 171/1993, foi aprovado com 320 votos favoráveis, 12 acima do necessário, mas ainda não foi analisado pelo Senado. Este texto tem a simpatia das lideranças da frente pela praticidade: como já percorreu todo o caminho na Câmara, estaria mais próximo da aprovação. “Essa é uma alternativa muito possível de a gente estar capitaneando. Porque a gente sabe que é muito difícil conseguir a aprovação de uma PEC [que exige apoio de três quintos dos parlamentares, e não maioria simples] e isso poderia fazer com que a Câmara tivesse que empregar um esforço descomunal. A gente vai analisar qual é o melhor caminho”, explica o presidente da frente, o deputado Carlos Jordy (PSL-RJ).

Os membros do grupo não descartam, segundo Jordy, que seja votada, caso haja apoio político, uma proposta ainda mais abrangente, que reduza para 16 anos a maioridade penal para todos os delitos, não apenas os de extrema violência que passaram na PEC já aprovada.

“Essa proposta atende parcialmente ao que a sociedade quer. Porque pesquisas apontam que 84% da população é favorável à redução da maioridade penal para qualquer crime. Então a gente quer analisar: se tivermos uma Câmara tendente a votar uma nova PEC, é uma possibilidade”, afirma.

Jordy avalia que o poder publico não teria, atualmente, condições de atender a uma exigência prevista na PEC 171: de que a pena dos jovens de 16 e 17 anos deve ser cumprida em local separado tanto dos maiores de idade quanto dos adolescentes abaixo de 16 anos. Essa regulamentação tem o apoio da frente, segundo Jordy, mas exigirá interlocução com o Executivo. “Para que isso ocorra, teremos que fazer encaminhamentos para o governo federal para que haja a adaptação de presídios ou construção de novos”, explica.

 

Congresso em Foco

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vocalista do Roupa Nova passa por transplante de medula óssea

Diagnosticado com um linfoma, um câncer no sistema linfático, Paulinho, vocalista do Roupa Nova, passou por transplante de medula óssea autólogo, procedimento em que as próprias células-tronco do paciente são…

Justiça Eleitoral quer criar plataforma para votação online por celulares e smartphones

No dia 15 de novembro, à partir das 7h da manhã, todos os municípios do Brasil vão realizar o primeiro turno das eleições. Nesse momento, os representantes do povo são…