A Paraíba o tempo todo  |

Morte do filho de Cissa segue como crime culposo

 A Justiça do Rio manteve a decisão de julgar o atropelamento com morte de Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães, em 2010, como homicídio culposo, quando não há a intenção de matar. Segundo a decisão, desta terça-feira (16), Rafael de Souza Bussamra não assumiu risco de matar. A acusação ainda pode recorrer no Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Em 2012, por decisão da 2ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça, Rafael Bussamra teve alterada a acusação de homicídio doloso (quando há intenção) para homicídio culposo de trânsito, crime previsto no Código Brasileiro de Trânsito. A atriz Cissa Guimarães e representantes do Ministério Público entraram com ação para tentar mudar a decisão da Justiça, mas nesta terça-feira o Tribunal de Justiça manteve a decisão anunciada no ano passado.

 

Na época, Cissa reagiu com revolta à decisão sobre o atropelador. “INDIGNADA, INDIGNADA, INDIGNADA, INDIGNADA, DOíDA, DOíDA, DOÍDA. MAS A LUZ DO NOSSO ANJO RAFAEL JUIZ NENHUM VAI TIRAR, NUNCAAAAAA!!!”, escreveu a atriz no Twitter.

 

“O julgamento do recurso foi hoje [terça-feira] e por unanimidade foi mantido o homicídio culposo, ou seja, foi um acidente e não um risco de matar”, afirmou o advogado de Bussamra, Carlos Eduardo Rebelo.

 

Relembre o caso

O músico Rafael Mascarenhas morreu no dia 20 de julho de 2010, após ser atropelado quando andava de skate no Túnel Acústico, em São Conrado, na Zona Sul do Rio. Na ocasião, o túnel estava interditado para o tráfego de veículos.

 

Rafael Bussamra foi indiciado por corrupção ativa, junto com o pai, o empresário Roberto Bussamra. Os dois, além de Guilherme Bussamra, irmão de Rafael, foram indiciados ainda por fraude processual, por tentar ocultar provas, adulterando o veículo.

 

Roberto admitiu que pagou R$ 1 mil de propina a dois PMs do 23° BPM (Leblon), que teriam pedido R$ 10 mil para desfazer o local do acidente e evitar a prisão em flagrante do motorista. Os dois PMs suspeitos foram expulsos da corporação.

 

Globo.com

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe